Moda

Panerai produz relógio em impressora 3D

Modelo em titânio é versão do Luminor 1950

29 Mar 2018 12:34

Com a caixa em titânio impressa em 3D através da técnica de Direct Metal Laser Sintering , Lo Scienziato – Luminor 1950 Tourbillon GMT é sem dúvida uma das criações mais inovadoras e surpreendentes da Manufatura da Panerai, em Neuchâtel. Apresentado em 2016, como a primeira implementação da sua tecnologia para um relógio mecânico, Lo Scienziato está agora disponível numa nova versão que traz todas as características do seu antecedente, mas com uma aparência renovada. No novo modelo, o ponteiro azul, perfeitamente harmonizado com os tons metálicos da caixa em titânio, é também usado no rebordo e nas costuras da correia em pele preta, dando ao relógio um aspeto ainda mais desportivo. Perfeito para esta criação com um nível tão elevado de conteúdo técnico.

A leveza do novo Lo Scienziato é verdadeiramente notável, particularmente considerando a riqueza das suas funcionalidades: horas, minutos, pequenos segundos, GMT, com indicação de 24h, uma reserva de marcha de seis dias com indicação da reserva remanescente no fundo, e um escape tourbillon. O segredo da sua leveza reside no trabalho engenhoso de minimização realizado pelo Laboratorio di Idee da Manufatura da Panerai, em Neuchâtel, na caixa e no sofisticado movimento P.2005/T, de desenhar um relógio com as características típicas da Panerai, mas com um peso substancialmente menor.

A caixa do Luminor 1950 tem um diâmetro de 47 mm e é feito em titânio, um material que é resistente à corrosão, mas é também 40% mais leve do que o aço. Por forma a reduzir ainda mais o peso, a caixa é feita a partir de uma tecnologia inovadora que permite uma criar uma cavidade geométrica extremamente complexa sem comprometer, em momento algum, a sua hermeticidade (10 bares, ou seja, cerca de 100 metros de profundidade), a sua solidez e a sua resistência a qualquer tensão ou torção à qual a caixa pode ser sujeita. A tecnologia usada chama-se Direct Metal Laser Sintering: trata-se de um processo que cria um objeto tridimensional por camadas através de um laser de fibra ótica, a partir de titânio em pó. As camadas sucessivas, tendo cada uma apenas 0,02 mm de espessura, fundem-se e tornam-se completamente sólidas, criando formas que seriam impossíveis de conseguir através dos métodos de trabalho tradicionais, com menos peso e perfeitamente uniformes, até na aparência.

O movimento mecânico P.2005, o calibre de corda manual com um tourbillon espacial patenteado pela Panerai, surge aqui na versão P.2005/T, esqueletizada e com pontes em titânio e placas. Graças à densidade menor deste material, com cerca de metade da do bronze a partir do qual estes componentes geralmente são compostos, o peso geral do movimento é 35% menor do que o da versão esqueletizada P.2005/S.

No final de contas, a leveza do relógio é tanto o resultado da esqueletização das pontes, das placas e dos barriletes, como a ausência do mostrador tradicional, uma vez que todos os elementos que geralmente o compõem estão diretamente ligados ao movimento ou às abas do relógio, tal como os marcadores de hora. Às 9 horas encontra-se o pequeno mostrador dos segundos, dentro do qual gira um pequeno indicador, mostrando a rotação do tourbillon. Às 3 horas, outro pequeno mostrador indica se o ponteiro central dos segundos (GMT) se refere ao dia ou à noite. A longa reserva de marcha de seis dias é obtida pelos três barriletes conectados em série, e a reserva remanescente é mostrada por um indicador especial no fundo do movimento, visível através de uma grande janela em vidro de safira no fundo do relógio. Todo este trabalho de esqueletização permite que os detalhes fascinantes em ambos os lados do relógio sejam admirados, tal como o enrolar e o desenrolar da mola no interior de cada barrilete, a interconexão intricada do trabalho da roda e particularmente da rotação da caixa do tourbillon que, na versão patenteada pela Panerai, é fundamentalmente diferente da disposição normal. Para compensar mais precisamente os efeitos da gravidade no escape, alcançando assim uma operação mais precisa, a caixa do tourbillon gira num eixo que é perpendicular, não paralelo, ao do balanço, e faz uma rotação completa a cada 30 segundos em vez de a cada minuto.

Veja mais