Lifestyle

O Mr. Vitacon

Conheça Alexandre Lafer Frankel, o jovem empreendedor por trás dos novos apartamentos com compartilhamento de áreas e serviços.

24 Set 2018 11:07

Por Françoise Terzian
Retrato Raphael Briest

Imagine o CEO de uma empresa inserida no setor da “velha economia” administrando o negócio com a cabeça de um gestor da “nova economia”. É na concorrida área da construção e incorporação que Alexandre Lafer Frankel, fundador da Vitacon, atua. Em meio à selva de pedra que se transformou o sólido setor especializado em erguer tijolos, esse jovem empreendedor de 40 anos pensa em projetos que contemplem a mobilidade urbana, o compartilhamento de espaço e também a convivência cada vez mais amigável entre o homem e a cidade.
Pelo tamanho dos empreendimentos desenhados, moradias verticais compactas, Lafer chegou a ser chamado de “rei dos apertamentos” por conta do projeto do Palmeiras-Nova Higienópolis, edifício composto por 111 unidades de 10 metros quadrados a 77 metros quadrados. Esse lançamento rendeu à Vitacon o título de criadora do “menor apartamento da América Latina”.
As residências enxutas que constrói vêm acompanhadas do conceito de “economia compartilhada”, no qual é possível dividir serviços e produtos com outros moradores. Da furadeira ao carro. Do espaço de coworking no térreo, aonde todos descem e em que trabalham e fazem negócios entre si, à internet sem fio.
Desde que foi fundada, em dezembro de 2009, a Vitacon já acumulou R$ 3,9 bilhões em projetos lançados. Ela defende que viver com menos é melhor para as pessoas. Nessa modalidade, em todos os prédios da marca há bicicletas e carros compartilhados. Depois, foram incorporadas novidades como o sistema de empréstimo de ferramentas – o morador não usa sempre uma furadeira ou mesmo uma chave de fenda, por isso o condomínio tem um quadro com ferramentas oferecidas aos residentes. E por aí vão surgindo novidades como uma vaga fixa para Uber e Cabify, um espaço colaborativo de coworking. Como diz Frankel, os edifícios que ergue são como organismos vivos, em constante evolução.
Para falar mais sobre seu estilo de vida, mentalidade como gestor e os 51 projetos – entre os concluídos e em projeto – da Vitacon, ele concedeu esta entrevista à revista Carbono Uomo:

 

Carbono Uomo
O que o levou a criar a Vitacon e quais os diferenciais pretendidos desde o início da operação?
Alexandre Lafer Frankel
Como paulistano da gema, minha visão sempre foi a de mudar o mercado imobiliário de forma a ofertar residências que, de alguma forma, resolves- sem a questão do trânsito em São Paulo. Quando fundei a Vitacon, tinha 32 anos e era um inconformado. Minha tentativa é a de resolver o problema do paulistano que perde horas da vida parado no congestionamento. Eu morei em um apartamento de 30 metros e fazia os trajetos a pé ou de bicicleta. Pensei em trazer essa solução de vivência para a cidade de São Paulo.

 

Carbono Uomo
Como foi entrar em um setor formado por gigantes altamente capitalizados e com grande domínio do que fazem?
Alexandre Lafer Frankel
Eu jamais entraria nessa área para fazer algo igual ao que os outros fazem. E olha que entrei em uma época de IPOs, em que a maioria estava bem capitalizada. Meu primeiro empreendimento foi um projeto de 42 metros quadrados na Vila Olímpia. A visão era a de que ninguém morava nesse bairro paulistano, nem queria morar. Era um lugar para se trabalhar. Na Vila Olímpia trabalham 500 mil pessoas, sendo que menos de 5% habitam no bairro e os 95% restantes se matam no trânsito. Fazer um apartamento que cabe no bolso, para chegar logo ao trabalho, era minha missão. E assim nasceu o empreendimento com 300 unidades.

 

Carbono Uomo
E assim você deu início à trajetória dos residenciais compactos. O número de projetos avançou rapidamente. Quantos já foram erguidos até hoje?
Alexandre Lafer Frankel
Temos 51 prédios no mercado, sendo que 43 já foram entregues. Quase todos eles são compactos. Foram R$ 3,9 bilhões em empreendimentos lançados e temos um land bank [potencial de lançamentos futuros] de R$ 3,6 bilhões, em 14 desenvolvimentos. São modelos compactos inteligentes, pensados de forma a permitir muita mobilidade para os moradores. A ideia é permitir que se more perto do trabalho. Aí surgiu um segundo aspecto, do desejo de receber visitas. Então nasceu um segundo pilar, baseado na economia compartilhada. Enquanto os outros faziam salões de festa e halls caretas, pensamos que as áreas comuns dos pré-dios precisam ser a extensão da casa. Elas precisam beneficiar os moradores também. Não é só oferecer bicicletário, mas também ferramentas compartilhadas. É necessário pensar em formas novas de utilizar os recursos e fazer uso da tecnologia embarcada para facilitar o dia a dia.

 

Carbono Uomo
Os compactos oferecidos por vocês hoje são, em média, de qual tamanho?
Alexandre Lafer Frankel
Nosso carro-chefe é o Studio, que vai de 10 metros quadrados a 32 metros quadrados. Acreditamos também em criar sob medida, com unidades maiores. Neste caso, pensando em uma família de até quatro pessoas, vamos de 45 metros quadrados a 77 metros quadrados.

 

Carbono Uomo
O que vocês oferecem ou estudam oferecer em tecnologias inteligentes para facilitar a vida dos moradores
Alexandre Lafer Frankel
Fechadura conectada que abre a porta pelo celular e libera, por exemplo, acesso às visitas e à faxineira. Também pensamos em armários totalmente eletrônicos para guardar encomendas de compras feitas, por exemplo, pela Amazon. Eu não preciso estar em casa para receber, assim como não preciso dar a chave do apartamento para ninguém. A Amazon deixa a encomenda no meu armário eletrônico e refrigerado. E eu recebo uma mensagem no celular de que a minha encomenda chegou. Outro exemplo é a cafeteira que compra cápsulas quando o café acaba, a geladeira conectada e o espelho conectado, que chama o Uber quando eu termino de me arrumar para sair.

 

Carbono Uomo
Essas tecnologias são sonho ou realidade?
Alexandre Lafer Frankel
Muitas delas já estão disponíveis. Conectividade é a nova ordem dos prédios, que, cada dia mais, receberão soluções, aplicativos e muita tecnologia embarcada. Os edifícios estarão, cada vez mais, em constante evolução, diferentemente dos prédios antigos, que foram construídos de um jeito sem previsão de mudanças. Os nossos edifícios são como organismos vivos.

 

Carbono Uomo
O mercado de residenciais hoje não segue essa linha?
Alexandre Lafer Frankel
De forma geral, o mercado se preocupa com a planta e o metro quadrado. Ele pensa em um produto imobiliário e não em resolver uma série de dores de cabeça das pessoas que vivem nas grandes cidades. Com as inovações cada vez mais acessíveis, há toda uma nova geração de prédios que vêm com mais e mais tecnologias. O investidor entende hoje o conceito da Vitacon, que aposta na evolução residencial. A partir de agora, muitos prédios também serão administrados pela Vitacon. A primeira unidade a ser operada pela empresa será o VN Bela Cintra, no Jardim Paulista.

 

Carbono Uomo
Como anda o desempenho da Vitacon diante da crise?
Alexandre Lafer Frankel
A empresa tem oito anos. Foram quatro anos maravilhosos e quatro de um país em crise. Nesse meio-tempo, recebemos aportes importantes de fundos. Temos, aproximadamente, R$ 1,87 bilhão de capital comprometido em equity. Os últimos 12 meses foram os melhores da nossa história. O ano de 2018 é uma promessa, apesar da instabilidade gerada pelo período eleitoral. A Vitacon quer ultrapassar a marca de R$ 1 bilhão em vendas contratadas. Ao todo, serão lançados sete projetos no segundo semestre, que totalizam R$ 1,3 bilhão. Além dos lançamentos, a companhia inaugura o primeiro projeto no modelo multifamily americano – residencial proprietário para locação com cem unidades e valor de R$ 110 milhões no bairro dos Jardins; e o projeto proprietário de uso misto na rua Oscar Freire, com valor de R$ 180 milhões. Estamos preparando a companhia para um forte crescimento nos próximos anos. Reforçamos nossa estrutura de capital, e existem negociações avançadas com investidores institucionais internacionais. Ainda este ano anunciaremos uma captação entre R$ 500 milhões e R$ 800 milhões.

 

Carbono Uomo
Então a Vitacon busca escala…
Alexandre Lafer Frankel
Sim, escala é importante para acessar outro nível de líderes globais. Nossa plataforma de uberização de unidades residenciais cresce exponencialmente. Nossa meta é chegar a 100 mil unidades administradas até o fim de 2019.

 

 

Alexandre Lafer, CEO Vitacon

 

 

Carbono Uomo
Como é o seu dia a dia?
Alexandre Lafer Frankel
Sou casado, tenho dois filhos e estou com a minha esposa há 22 anos. Minha rotina é simples. O que me dá prazer é trabalhar. Amo estar em plantões de vendas, amo visitar o time, amo visitar obras.

 

Carbono Uomo
Você é defensor de uma São Paulo em que as pessoas andem menos de carro e mais a pé e de bicicleta para se conectar à cidade. Como você se desloca?
Alexandre Lafer Frankel
Não tenho carro há muitos anos. Vou de bike, transporte público, uso aplicativos e peço carona. Sou o maior caroneiro da história (risos). O meio vai depender do dia, da hora e da necessidade. Aliás, tenho dois tipos de bikes – uma normal e outra, elétrica. Minha filosofia é ver a cidade de uma forma diferente, de fora da “bolha do carro”. Saindo do stress proporcionado pelo trânsito carregado, é possível ver São Paulo com outros olhos e enxergá-la como uma cidade “amigável”.

 

Carbono Uomo
Você mora perto do trabalho?
Alexandre Lafer Frankel
Hoje eu moro a 5 quilômetros do trabalho. Quando casei, fui morar em um apartamento de 30 metros quadrados. Depois, fui para outra casa. Agora, estou em um terceiro endereço, um pouco maior, por conta dos filhos.

 

Carbono Uomo
Qual seu sonho com a Vitacon?
Alexandre Lafer Frankel
Simplificar a vida das pessoas. Chegar a um produto acessível para a maioria. Criar possibilidades. O menor apartamento que temos hoje é de 10 metros quadrados e fica ao lado de uma faculdade e um hospital. Imagine o quão útil ele é para um plantonista ou estudante. É uma moradia como serviço, com o intuito de que as pessoas não fiquem imobilizadas e endividadas. Ele foi vendido a partir de R$ 90 mil, em Higienópolis, enquanto um modelo na faixa Minha Casa Minha Vida pode custar R$ 240 mil na periferia de São Paulo.

 

Carbono Uomo
Vocês anunciaram o conceito de test life. Seria uma espécie de test-drive dos imóveis da Vitacon?
Alexandre Lafer Frankel
Isso mesmo. Nosso cliente pode experimentar passar 24 horas ou mais em um Vitacon antes de comprar. Muita gente tem curiosidade e fascínio, e o índice de conversão é alto, cerca de 73,8%.

 

 

 

Veja mais