Lifestyle

Meu Bairro: Itaim

O empresário Renato Calixto conta como é viver no charmoso bairro paulistano.

22 Mar 2018 13:38

Mudar é algo presente na minha vida. Morei em sete cidades, cinco países diferentes, e depois de tantas mudanças me adaptar ao novo é algo que assimilo com certa facilidade. A última delas porém não foi de cidade, mas sim de bairro. Vivi nos Jardins desde que cheguei a São Paulo, há mais de 12 anos, mas troquei a região pelo Itaim por questões profissionais. Na ocasião, inaugurei o Nino Cucina com mais dois sócios, em agosto de 2015, e quando a casa italiana já havia completado seu primeiro aniversário, decidi mudar definitivamente para cá. Encaixotei minhas coisas e vim para essa tradicional área da zona oeste poucas semanas antes da abertura do Peppino Bar, nossa segunda casa, um bar com toques de modern aperitif, em dezembro do ano seguinte.

Quando comecei a andar diariamente pelo Itaim, mesmo antes de me mudar definitivamente, percebi o dinamismo que impera nas ruas. Inúmeros negócios se misturam aos hotéis, prédios residenciais e comerciais do bairro, que tem uma vida de constante ebulição. Enquanto isso, botecos, botequins, bares, restaurantes e empórios vivem sendo inaugurados. O Itaim Bibi se desenvolveu desde os anos 50 como um misto de centros empresariais importantes e habitações de alto padrão. O bairro é facilmente acessado pelas avenidas Juscelino Kubitschek, São Gabriel, Nove de Julho e Brigadeiro Faria Lima. Uma sede regional do Google está instalada aqui, e o quadrilátero que se estende até a Rua Bandeira Paulista reúne alguns dos bares e restaurantes mais consagrados da cidade. Rodeado por várias vias importantes, não seria insanidade dizer que é o bairro com o maior potencial gastronômico de São Paulo. Basta levar em consideração a população flutuante, que dá vida à região dia e noite.

Quando encerrei essa fase profissional da minha vida, optei por abrir ali mesmo, em setembro passado, o Factório. Modernizei o ponto que um dia abrigou o restaurante Ecco e inaugurei na Rua Amauri um misto de restaurante, bar e cafeteria. Como funciona sem parar das 8 da manhã até a meia-noite, o Factório só faz sentido para mim se eu puder estar ali a todo momento. É impressionante quantas coisas podem se resolver no dia a dia estando a dois passos do seu negócio. Comecei a ser influenciado pela ideia de viver e trabalhar no mesmo bairro quando morei na Europa. A cultura já era comum em Barcelona, Bra (interior da Itália) e Copenhague, onde vivi dois anos, somando as três cidades, e fazia todo o sentido agora. Acho que essa é uma escolha importante e deve ser feita por quem mora em São Paulo. Não tenho carro há cinco anos, passei a revezar entre a bicicleta e a caminhada. É assim que me locomovo, entre trabalho, diversão, esporte e afazeres do dia a dia. Isso sem mencionar a proximidade com o Parque do Ibirapuera, um trajeto que não me toma mais do que dez minutos quando estou sobre duas rodas.

Meus lugares favoritos do Itaim refletem essa ideia. São comércios que aplicam o conceito do slow com modernidade, ruas e parques agradáveis, pessoas que compartilham momentos alegres nos restaurantes e bares.

Barbearia Corleone

“Sou cliente desde a abertura. É o local aonde vou para bater papo e relaxar enquanto faço a barba. O extremo cuidado com a decoração, a trilha sonora, os móveis, a seleção de cervejas e o trato com o cliente fizeram da Corleone uma referência no bairro e no segmento masculino.”
R. Dr. Renato Paes de Barros, 390

Feed

“O açougue Feed nasceu como um projeto audacioso dedicado aos amantes das carnes. Lá você pode escolher o corte específico dentre os vários oferecidos e ainda consegue ver o açougueiro trabalhando. Gosto do cuidado e preocupação que eles têm com os produtos.”
R. Dr. Mario Ferraz, 547

Ciclovia da Faria Lima

“Como bom ciclista que sou, acostumado a percorrer vários bairros da cidade sobre duas rodas, a ciclovia da Avenida Faria Lima é sinônimo de liberdade. Ela passa pela Vila Olímpia e Vila Madalena, tão diferentes entre si, e ainda liga o Parque do Ibirapuera, um dos meus redutos prediletos na cidade, ao Parque Villa-Lobos. Além disso, está muito próxima do Parque do Povo.”

Madureira Sucos

“O Madureira é o reduto saudável do Itaim. Ponto de encontro de antes ou depois do esporte, é ideal para lanches e comidas rápidas. Cliente mais do que assíduo, opto sempre pelo balcão logo na entrada. Fissurado pelo bairro, o grupo dono do local mantém outros negócios nos arredores.”
R. João Cachoeira, 217

Complexo Brascan Kinoplex
“É uma opção prática e fácil para quem quer ir ao cinema e assistir aos blockbusters em cartaz, e de quebra parar na Livraria Saraiva. Walking distance para ir ao cinema em São Paulo e caminhar pelas ruas do bairro é mais do que luxo, é bom demais!”
R. Joaquim Floriano, 466

Rua Amauri
“Arborizada, tranquila e com calçadas largas, é sem dúvida uma das ruas mais charmosas da cidade. Esquecida nos últimos anos, foi lá onde decidimos abrir o Factório e iniciar o projeto de reposicionamento e retomada da rua.”

Botequim do Hugo

“Um misto de relíquia e patrimônio do bairro, o Botequim do Hugo resiste, há mais de 80 anos, a todas as mudanças e à modernidade do Itaim. Cerveja, pastel e conversa fiada.”
R. Pedroso Alvarenga, 1014

Veja mais