Trip

Viagem: Alemanha

Um roteiro do país europeu que vai muito além de Berlim

5 Dez 2017 12:46

Por Malu Neves

Para entender a história e a cultura da Alemanha e se apaixonar por um roteiro feito de paisagens, sabores culinários e expressões artísticas inesquecíveis, comece por Leipzig. Nenhuma outra cidade representa tão bem o país como essa, atualmente a que mais cresce e prospera, além de nutrir legados culturais de peso incomparável. Foi onde o gênio Johann Sebastian Bach nasceu; a Biblioteca Alberta, da principal universidade local, tem um acervo com cerca de 3,5 milhões de livros; editoras e outros impressos alemães começaram seu business lá antes de serem destruídos na Segunda Guerra, sendo que ainda hoje celebram a maior feira de livros da Europa todo mês de março (muitos consideram Leipzig como a cidade onde mais se lê na Alemanha). Foi também o local de fundação do famoso Partido Social-Democrata, sem contar o ímpeto progressista responsável pela queda do Muro de Berlim. Pois é! A queda do Muro começou, de fato, em Leipzig. A partir de um protesto contra o regime político, em 9 de outubro de 1989, com 70 mil pessoas à frente da bela St. Nikolaikirche (Igreja de São Nicolau), gerou- se o impulso necessário, quatro semanas depois, para a força que derrubaria o Muro na cidade de Berlim.

Ao mesmo tempo em que Leipzig é formada por uma bagagem histórico-cultural antiga, grande parte da população é jovem e traz vitalidade e criatividade para uma nação que tanto perdeu – e se reinventou – com a guerra. Prova disso é a onda crescente de galerias e estúdios de arte contemporânea, além de dezenas de bares e restaurantes que dão um tom cool e agitado à vida noturna da cidade. Não há melhor maneira de se encantar pelo país do que explorando cidadezinhas medievais interioranas, como Rüdesheim e Assmannshausen am Rhein (patrimônio da Unesco), Eltville am Rhein, Rothenburg ob der Tauber, Bamberg e outras. Algumas formam a conhecida “Rota Romântica”, que pode iniciar em Würzburg – para quem desce ao Sul da Alemanha – ou por de Füssen, para quem sobe.  O verão – a melhor época para um passeio como esse de carro – reserva uma natureza tão deslumbrante que não perde em nada para países tropicais como o nosso. Todas as rotas e arredores estão completamente floridos e alegres.

As estradas, por sua vez, dão um show à parte. Seja pela Rota Romântica, feita de paisagens pitorescas que mais parecem pintura de quadro, seja pela rápida autobahn, qualquer motorista e principalmente os aficionados por carros podem se esbaldar: as estradas são mantidas em condições impecáveis e alguns trechos não têm limite de velocidade. Por qualquer uma das vias, dá para notar o imenso sistema de captação solar digno de Primeiro Mundo: tanto as casas residenciais como as próprias “solar farms” aproveitam os dias ensolarados em benefício de um sistema de energia mais sustentável. Matas e plantações muito bem cuidadas chamam atenção, principalmente as de trigo. Alguma dúvida de ser o país da cerveja? Sim e não. Pois é também o do vinho. E de vinhos ótimos que infelizmente não chegam ao Brasil, cujas safras são agraciadas pela junção de climas frios e quentes que trazem a condição perfeita aos vinhedos cercados pelos rios Meno e Reno. Parte dessas produções ainda é artesanal, com a tentativa de não utilizar químicos e se chegar, cada vez mais, à produção biodinâmica.

Em outras cidades como Bamberg (onde se bebe a famosa cerveja defumada) o comportamento cervejeiro é muito respeitado e atrai turistas ano a ano. Mas em pequenas cidades como Rüdesheim, Eltville, Rothenburg e Würzburg só se fala e se bebe vinho. A visita pelas cidades menores da Alemanha é também um convite para desligar a mente do ritmo frenético das capitais, não somente pelo silêncio ao cair da noite, mas pela ausência (curiosa) de uma boa internet! Em alguns locais o 3G não é muito popular. Ou seja, vá com pouca pretensão de conexão 24/7, bem acompanhado, aventure-se nas estradas, fotografe muito e não poupe momentos de prazeres etílicos.

Leipzig

ONDE COMER
As passagens – courtyard – são muito famosas em toda a cidade, pois deram origem às famosas feiras comerciais. Algumas delas reservam restaurantes menos convencionais com excelente comida local e em mãos familiares, como o Barthels Hof. Se bateu vontade de doces e guloseimas, não perca o Mintastique.

ONDE BEBER
O Cantona Klassiker faz ode ao futebol e batizou o nome da casa em homenagem ao ex-jogador Eric Cantona. Há uma variedade enorme de drinques, cervejas, vinhos, inclusive com uma receita da nossa caipirinha feita com cachaça Velho Barreiro.

ONDE FICAR
O Innside Meliá está numa das melhores localizações da cidade, com ótimo café da manhã e happy hours com DJ para os mais animados.

IMPERDÍVEL
Assim como o Brooklyn em Nova York e a Gamboa no Rio de Janeiro viram surgir espaços dedicados à arte ocupando antigas fábricas e indústrias, com o distrito de Plagwitz não foi diferente. O Spinnerei é uma antiga fábrica de algodão – de 1884 – que em 1993 foi adquirida por compradores privados e hoje abriga 100 estúdios de arte com lista de espera para entrar. Alguns moram lá e fazem do lugar – rústico industrial – um grande palco de arte e performances.

Rothenburg ob der Tauber

ONDE COMER
Alguns dos restaurantes com mais personalidade ficam em hotéis. Prova disso é o Sonne, nas mãos da segunda geração da família, que preza muito a boa hospitalidade. O casal proprietário recebe os clientes diariamente, e faz parte da iniciativa “Taste of the Tauber”, cuja cozinha preserva ingredientes regionais para a elaboração de receitas locais.

ONDE BEBER
O melhor lugar para drinques é o Refugium 21, um bar bem escondido quase secreto. Para uma noite mais romântica vá ao Altfraenkische Weinstube, com boa carta de vinhos.

ONDE FICAR
O Hotel Eisenhut tem atendimento tão encantador e cordial que, somado aos seus ares medievais e localização – no coração da cidade –, o tornam a hospedagem perfeita, além de único 4 estrelas.

IMPERDÍVEL
Para quem curte hiking, desça pelo Tauber Valley, uma trilha acessada a alguns minutos a pé do centro da cidade e com visual deslumbrante.

Assmannshausen am Rhein

ONDE COMER
Nada se compara à vista plena do Rio Reno que o restaurante do hotel Unter den Linden proporciona de sua varanda repleta de parreiras e flores. Prove a famosa Flammkuchen (conhecida também como “tarte flambé), uma massa feita de pão típica da região da Alsácia que lembra uma pizza bem fininha; ou vá de truta, sempre fresca, um dos peixes mais consumidos na região.

ONDE BEBER
August Kesseler está entre as vinícolas detentoras do rigoroso selo de qualidade VDP (o mais antigo no mundo). Marque um horário para degustar seus vinhos – inclusive deliciosos pinot noir – e levar alguns rótulos por ótimos preços para casa.

ONDE FICAR
Assim como muitos estabelecimentos locais, o Berg’s Alte Bauernschänke também é um hotel familiar cuja proprietária, sempre presente, cuida pessoalmente do dia a dia da casa. Ela também tem uma pequena produção de vinhos. Algumas dessas uvas servem de tratamento para o ótimo spa do hotel.

Bamberg

ONDE COMER
Se chegou num momento da viagem em que a dobradinha “schnitzel + sausages” deu aquela cansada, vá de italiano. Há restaurantes muito caprichados que praticam a cozinha clássica e saborosa. No Little Italy há charmosas mesas do lado de fora.

ONDE BEBER
Não dá para visitar Bamberg e não provar a cerveja defumada. Existem diversos pubs para escolher e o mais popular é o “Schlenkerla”, abarrotado de turistas na porta. Já o Klosterbräu é mais low key e a cervejaria mais antiga da cidade.

ONDE FICAR
O Villa Geyersworth é daqueles hotéis que dão vontade de não sair do quarto. Quando decoração e conforto são pensados na medida certa.

IMPERDÍVEL
Os antiquários que rodeiam as ruas do Centro antigo são perfeitos para apreciadores do retrô. Comece pela ponte onde fica a belíssima arquitetura da Old Town Hall (Altes Rathaus) e vá caminhando para dentro das pequenas ruas medievais que levam até a catedral.

Pra não dizer que não falei de Berlim!
Mesmo que Leipzig seja o ponto de partida para se conhecer e entender o que é, de fato, a nação alemã, não dá para pensar no país sem falar de Berlim! É um dos lugares onde qualquer um pode se expressar da maneira que bem entender, transborda arte de diferentes vertentes e vem ganhando locais para comer, beber e badalar cada vez mais legais.

ONDE COMER
O Eins 44 tem tudo para ganhar a primeira estrela Michelin. Seu chef de apenas 26 anos é um talento daqueles que levam emoção, prazer e surpresa à mesa. Tudo com poucos ingredientes e muito sabor.

ONDE FICAR
O Mani é um hotel bastante cool e moderno, feito principalmente para agradar a clientela masculina. Seu mote é “rich but easygoing”, o que já diz muita coisa. Tem localização bem estratégica no coração do Mitte.

ONDE BEBER
Depois de abrir a primeira unidade em Stuttgart, o Botanical Affairs chegou há menos de um ano em Berlim com sua proposta totalmente dedicada a rótulos de gim do mundo todo. Vá de gim alemão Fieldfare com a fantástica tônica Goldberg.

IMPERDÍVEL
Há uma onda de novos cafés de conceito industrial, que moem seu próprio grão ou importam de produções exclusivas. Os mais bacanas são Five Elephant, The Bread Station e Milch Halle. Pães e afins também são feitos no delicioso Sironi, italiano dentro do MarktHallen, uma feira de comidas e bebidas que vale a visita aos sábados.