Trip

Uma visita ao Nomaa, em Curitiba

Visitamos o hotel-butique paranaense que é destaque nacional em hospitalidade

por Artur Tavares 27 Set 2016 09:37

Com prédios baixos, ruas bastante arborizadas e muitas casas térreas convivendo lado a lado com restaurantes e bares, o bairro do Batel é lugar de destaque no cotidiano do lazer e da gastronomia de Curitiba. Em uma tranquila esquina da Rua Gutemberg, próxima da belíssima Praça da Espanha, fica o hotel-butique Nomaa. Aberto há pouco mais de um ano, o empreendimento tem tudo para se tornar referência de hospitalidade em todo o Brasil. A reportagem da Carbono Uomo hospedou-se lá no último fim de semana.

O prédio de nove andares se confunde com a tranquila paisagem de seus arredores. A entrada de piso ladrilhado é aconchegante e a fachada de poucas colunas em preto é minimalista. Há apenas 42 acomodações, todas impecavelmente luxuosas. Durante o dia, a iluminação natural clareia perfeitamente as áreas comuns do hotel e também os quartos. Já à noite, as luzes estão sempre baixas, realçando peças de designers consagrados como Jader Almeida, Sergio Rodrigues, Zanini de Zanine, Mariana Betting, Flavio de Carvalho, entre outros.

O restaurante Nomade fica no mezanino que serve de primeiro andar para o Nomaa, com um deck para os dias mais agradáveis. Comandado pelo chef paranaense Lênin Palhano, tem um dos brunchs mais disputados da cidade. O restaurante mudou seu cardápio do jantar na última sexta-feira, 23. No sábado, fomos conhecer as novas criações de Palhano, que já teve passagens pelo Esquina Mocotó, em São Paulo, Lasai, no Rio de Janeiro, e Central de Lima, na capital do Peru.

Variedade no menu degustação

Lênin Palhano experimenta na cozinha do Nomade/Divulgação
Lênin Palhano experimenta na cozinha do Nomade/Divulgação

A casa mudou alguns de seus pratos. A partir de agora, o menu degustação do Nomade também apresenta uma combinação de pratos do à la carte e de criações espontâneas e sazonais de Palhano. “Hoje vou mostrar para vocês um prato com prejereba, que é um peixe comum aqui do Sul. Ele não está no cardápio porque depende da disponibilidade do fornecedor. Pratos que derem certo na degustação e forem viáveis vão entrar aos poucos no cardápio”, explica o chef.

Para começar, Palhano e sua equipe recomendaram a versão do Nomade para o Negroni. Feito com um toque de frisante, o drink tem cor e sabores mais suaves. O frisante é recorrente no bar. O Old Fashioned da casa não vem com rodelas de laranja, mas o vinho ajuda a adocicar ainda mais o bourbon com o cubo de açúcar. São duas criações que chamam a atenção.

De entrada, foram servidas porções de espetinho de polvo com batatas assadas no azeite de ervas e steak tartare em torradinhas, cada um deles coberto por um ovo de codorna frito em textura perfeita de clara e gema. Dando sequência, uma burrata com tomates confitados no molho pesto. Então, a prejereba. A criação de Palhano surpreende. O peixe fica marinado em um tempero bastante suave. Cortado em cubos, vem coberto de uma crocante quinoa frita, acompanhado de creme de abacate, tudo em temperatura ambiente. É um prato que todo cliente deve consultar a disponibilidade quando estiver por lá.

O primeiro dos pratos principais é pirarucu com palmito pupunha e legumes selvagens, entre eles uma macia e suculenta beterraba. O sabor leve do peixe abre espaço para o gran finale do chef, um corte de pescoço de cordeiro. De maciez única, a carne desmancha na boca. O gosto é bastante suave, tratando-se do animal, com toques mais amanteigados. Se até ali o menu degustação era impecável, a criação eleva o Nomade à excelência. Para finalizar, coulis de morangos naturais e confitados, com merengue e sorvete de coco.

O Nomade é uma experiência gastronômica que já cativou os moradores de Curitiba. Na noite de sábado, a casa estava cheia de casais que não estavam hospedados no hotel e foram ao Nomaa apenas para apreciar a culinária de Lênin Palhano. O restaurante pede que reservas para o menu degustação sejam feitas com antecedência.

Um brunch criativo

O brioche do Nomade/divulgação
O brioche do Nomade/Divulgação

O domingo, 25, amanheceu frio em Curitiba. Por seu bom planejamento urbano, a cidade é bastante úmida em relação a metrópoles como São Paulo. O sol chegou a aparecer no início da tarde, clima convidativo para o brunch do Nomade. Combinando pratos do café da manhã e do almoço do restaurante, a farta refeição pode ser composta por todos os pratos do cardápio, além das sobremesas.

Antes de começar, o couvert. Pães variados, uma geleia de frutas vermelhas, um caldinho de espinafre (os sabores destes variam de acordo com a produção do restaurante), roast beef marinado, queijos, batatas fritas, entre outras coisas.

Do café da manhã, um macio brioche na chapa com cogumelos salteados, ovo perfeito, panceta e espuma de queijo grana padano. Do almoço, duas opções de salada: a Caprese e a Nomade, de folhas com vegetais ao vinagrete de mel e limão. Além delas, risoto de camarões rosa com tomate desidratados – também um novo prato do chef, incluso no cardápio do brunch e do jantar à la carte a partir do dia 23 deste mês. Ainda há opções de massa, um brandade de bacalhão e carré de leitão com palmito pupunha, temperado à maneira do pirarucu do jantar. Os mini steak tartare do jantar aparecem maiores, mas acompanham batatas, e não ovo.

De sobremesa, além do coulis de morango, as outras duas tentadoras opções são rabanada com calda de doce de leite e sorvete de leite, e brownie de chocolate com creme de caramelo e sorvete de baunilha.

Toda a gastronomia do Nomaa merece atenção. Lênin Palhano tem leveza como marca em seus pratos. Os sabores são tocantes e as apresentações são belas. Tanto o menu degustação quanto o brunch são perfeitos para grupos de até seis pessoas. São experiências longas, por isso vá com bastante tempo livre para aproveitar tudo que o Nomade pode oferecer.

Acomodações

nomaa0726092016
Divulgação

O hotel possui uma opção de quarto compartilhado, duas acomodações para casais, além de outra com um espaço para sala de reuniões, e duas suítes panorâmicas em seu nono andar. Em todos os quartos, as roupas de cama e banho são de algodão egípcio da Trussardi. Seus interiores são feitos de couro e nogueira, enquanto o banheiro tem piso e paredes grossas em belíssimo mármore branco. Dormir ali é como estar em um sonho. A cama é enorme e extremamente confortável, chegando a ocupar todo o centro do quarto. O wi-fi do hotel funciona em uma velocidade alta e constante. O serviço de quarto é ágil. A cada pequena saída uma arrumação é feita. Se você saiu para jantar, é recebido com um biscoito e uma garrafa de água de brindes. Ficar no Nomaa é correr o risco de cometer a indulgência de nem mesmo querer sair da acomodação.

O Nomaa ainda tem um spa com um variado cardápio de serviços, uma academia de ginástica, sala de coworking. Todos os quartos estão equipados com um iPad que faz um serviço de concierge eletrônico. Os serviços do hotel podem ser acionados pelo equipamento, como a cozinha, agendamento no Gaya Bem Estar e até mesmo retirada de carro da garagem.

Arredores

A Praça da Espanha, a cinco minutos de caminhada do Nomaa, recebe nas tardes de sábado um encontro de colecionadores de carros antigos. De MGs clássicos, a Lincolns e até um Continental, admirar essas maravilhas do mundo dos motores é um programa imperdível. A praça é cercada de bares e restaurantes, o que atrai um público a partir dos 25 anos. São cervejarias, cozinhas especializadas em frutos do mar, bistrôs e até um bar de esportes.

A Alameda Dom Pedro II, a uma quadra do Nomaa, é a casa dos Teatros Fernanda Montenegro e Paulo Autran, e da Simões de Assis Galeria de Artes. O campus de Artes da Universidade do Paraná fica no cruzamento da alameda com a Rua Coronel Dulcídio. A Alameda ainda possui um serviço de aluguel de carros Avis.

O Hospital do Coração de Curitiba está logo ao lado do Nomaa, bem como o Hospital Geral da cidade – na Rua Teixeira Coelho, a uma quadra da Gutemberg.

Nomaa Hotel
Rua Gutemberg, 168. Batel
Curitiba, Paraná
(41) 3087-9595
http://www.nomaa.com.br/

Artur Tavares

Sob o signo de câncer, nasceu de oito meses. Desde este infortúnio, mostrou-se impaciente. Soube aproveitar esta peculiaridade e transformá-la em curiosidade. Odeia rejeitar convites para restaurantes, está sempre com um livro e adora passar os finais de semana em meio à natureza, com suas companhias favoritas e o melhor da música eletrônica.