Trip

Turquia tem ano perdido no turismo

Queda de visitantes ficou em 30% entre os anos de 2015 e 2016

9 Jan 2017 09:33

A economia da Turquia está sofrendo diante de uma série de ataques extremistas – incluindo o massacre de festas de Ano Novo, com a maioria de vítimas sendo estrangeira – e a incerteza após o fracassado golpe de julho de 2016 contra o presidente Recep Tayyip Erdogan, que deixou mais de 270 mortos. Uma reportagem do Skift abordou o fato neste final de semana.

O turismo, um componente-chave da economia, bem como uma fonte substancial de moeda estrangeira, sofreu grande impacto na Turquia. A crise vem desde 2015, quando os visitantes russos não podiam mais entrar no país devido a uma crise diplomática entre os dois países.

“2016 foi um ano perdido para o turismo turco”, disse Cetin Gurcun, secretário-geral da associação de agências de viagens da Turquia, TURSAB, à Associated Press. “É impossível para a Turquia desistir do turismo, mas a prioridade mais importante do setor é a segurança”, acrescentou Gurcun. “A primeira coisa que um turista procura ao escolher um destino é a paz e a segurança. Só então eles pesquisam qualidade de serviço e preço.”

Houve uma época em que o turismo na Turquia estava quente, passando de 10.5 milhões de visitantes em 2000 para 36.2 milhões de pessoas em 2015, tornando-se o sexto destino mais visitado do mundo. O setor faturou US $ 31.5 bilhões em 2015. Mas todos terminaram no ano passado, com uma queda de 30% nos visitantes, de 34.8 milhões no período janeiro-novembro em 2015 para pouco mais de 24 milhões no mesmo período em 2016.

Yasemin Pirinccioglu, gerente-geral da agência de viagens VIP Event, disse que os estrangeiros que haviam visitado antes ainda estavam retornando. “Mas as pessoas que estão planejando vir pela primeira vez para a Turquia, estão adiando suas viagens”, disse ela.

Devido à crise econômica, a Lira turca bateu recorde negativo na primeira semana de 2017, negociada em torno de US$ 3.60. Analistas esperam que a moeda enfraqueça ainda mais nos próximos meses.

As preocupações de segurança são óbvias nos dados econômicos. No terceiro trimestre do ano passado, a queda do turismo foi a principal causa na redução de 7% na venda de bens e serviços.