Trip

Pequim Sem Fronteiras

Das redes de hotéis de luxo mais incensados aos melhores restaurantes fora do circuito turístico, veja dicas da capital chinesa que você nunca leu por aí

1 Jun 2017 00:53

Por Tatiana Cesso

Para os imperadores da dinastia Ming, Pequim era considerada o centro do universo. Para proteger a cidade de invasões, seus súditos construíram uma muralha de nada menos que 21 mil quilômetros, que levou cerca de dois milênios para ficar pronta. Hoje, a capital chinesa não teme o olhar estrangeiro, e mesmo impondo algumas restrições aos seus visitantes – o governo comunista monitora a internet e os meios de comunicação – é um dos destinos mais populares da China, país que receberá o maior contingente de turistas até 2020, segundo a Organização Mundial de Turismo. Se o seu passaporte está nessa lista, siga nosso roteiro e desfrute do melhor que a nova e hospitaleira Pequim tem a oferecer.

Como chegar

A Cathay Pacific, terceira maior companhia aérea do mundo, não tem vôos diretos do Brasil para Pequim, mas via Europa ou EUA é possível desfrutar de serviços premiados. O menu se divide entre comidas ocidentais e clássicos da cozinha chinesa. cathaipacific.com

Onde ficar

Para atender a alta demanda de globetrotters, redes de luxo competem em excelência – e quem sai ganhando é o hóspede. Entre os mais inovadores estão os hotéis do grupo Swire, reconhecidos por sua localização estratégica e conceito artístico.
 

1 – The Opposite House
Não se surpreenda se cruzar o casal Beckham ou Jay-Z e Beyoncé no saguão – esse é um dos hotéis favoritos das estrelas em Pequim. Projetado pelo arquiteto japonês Kengo Kuma, o lugar parece uma galeria de arte contemporânea e abriga obras de nomes consagrados como Xiao Feng Li. As suítes impressionam pelo minimalismo funcional e o refinamento nos detalhes. A piscina coberta tem iluminação futurista e é um espetáculo. theoppositehouse.com

2- East Beijing
O East, com unidade também em Hong Kong, mostra que hospitalidade “casual-business” pode, sim, ser cheia de charme. Vem daí a decoração minimalista pontuada por vibrantes obras de pop art – o mascote do hotel, um T-Rex de acrílico assinado pelo chinês Sui Jianguo, tem lugar de destaque nas suítes executivas. Aproveite a conveniente localização para fugir do trânsito e explorar a vizinhança a pé – o 798 Art District fica a 10 minutos caminhando e é onde se concentram os cafés e galerias mais incensados da cidade. east-beijing.com

Onde comer
Orgulhosos de suas tradições, os chineses se alimentam de pratos cheios de história. Vem daí o famoso pekin duck, receita de pato assado originária do império Yuan, de 1206. Mas Pequim vai além da própria cozinha e oferece excelentes opções para paladares sedentos de sabores globais.



1 – Susu
É difícil encontrar esse endereço sem a orientação de um morador – fora do circuito turístico, o lugar é um tesouro escondido em um beco remoto, sem identificação na fachada. Chegando lá (recomenda-se reserva), é fácil entender porque o Susu figura entre os restaurantes mais descolados da cidade. A especialidade é a cozinha do Vietnã e o ponto alto do menu são os rolinhos frescos em versões que levam frutos do mar e vegetais. Prove os criativos coquetéis da casa e não se espante se chegar à mesa uma cortesia que não está no cardápio – Amy Li, a simpática proprietária, gosta de colher a opinião dos visitantes sobre as suas novas experiências gastronômicas. susubeijing.com

2 – Jing Yaa Tang
O pekin duck preparado pelo chef nativo Li Dong tem um gostinho especial. Assado na lenha de jujuba, chega à mesa crocante e aromático, e é servido como manda a tradição, com panquecas de farinha de arroz, vegetais e molho artesanal de hoisin. O ambiente acompanha o estilo elegante do The Opposite House, que abriga o restaurante desde 2013. theoppositehouse.com

3 – Cafe Flatwhite
Com dois endereços no 798 Art District, o lugar serve um dos melhores cafés artesanais da cidade, torrado e moído no local. cafeflatwhite.com

4 – Brickyard at Mutianyu
A poucos quilômetros da Grande Muralha, o complexo que já foi uma fábrica de telhas é hoje frequentado por turistas antenados – na lista de visitantes famosos está a primeira-dama americana Michelle Obama. Não hesite em pedir o mesmo que ela (prática popular no restaurante) e desfrute de porções bem servidas de saladas, buns, dim sum e noodles, com massas fresquinhas preparadas na frente do freguês, e preço amigável. brickyardatmutianyu.com

5 – Sureño
O restaurante, no subsolo do The Opposite House, atrai foodies em busca de comida suculenta em ambiente refinado. A carta de vinhos é considerada uma das mais completas da cidade e o menu recheado de pizzas, massas e risotos revelam o estilo rústico-clássico do chef italiano Roberto Cimmino. theoppositehouse.com

Cultura

Pequim preserva tantos monumentos históricos (Cidade Proibida, Grande Muralha, Museu Nacional) que corre o risco do seu roteiro ficar preso no passado. Equilibre a programação misturando pontos turísticos imperdíveis com hot spots frequentados por moradores.



1 – 798 Art District
Em uma área de fábricas abandonadas no bairro de Dashanzi vem florescendo o movimento artístico mais efervescente da capital chinesa. O complexo industrial – habitado por proletários no auge do comunismo, nos anos 1950 –, é agora frequentado por designers, pintores e entusiastas que circulam dia e noite entre galerias e intrigantes instalações públicas. Destaque para a Ucca (ucca.org.cn), espaçosa galeria de arte contemporânea com exposições locais e internacionais. Informe-se sobre a programação de festas e vernissages no distrito. 798district.com

2 – Grande Muralha da China
Pelo legado (faz parte das Maravilhas do Mundo) e visual espetacular, o passeio é mesmo imperdível. Opte por uma experiência customizada e contrate um motorista particular para chegar lá – o percurso do centro da cidade até o acesso a Mutyanu leva cerca de duas horas e tem custo similar ao das populares excursões. travelchinaguide.com

Compras

Shopping centers grandiosos com grifes internacionais fazem os visitantes se sentirem em uma metrópole ocidental. Mas Pequim também oferece itens especiais para quem busca artigos únicos.

Liulichang – A rua cheia de antigas casas restauradas está no radar dos principais guias de viagem, mas é também onde os nativos vão quando querem comprar antiguidades, artigos de decoração, livros e pinturas. Garimpe suas compras e sinta-se à vontade para negociar os preços, prática comum na região. liulichangbeijing.com

Brand New China (B.N.C) – A proprietária Hong Huang, também editora da revista local iLook, é uma celebridade no circuito fashion local. Ela abriu a B.N.C em 2010 com o objetivo de apoiar novos designers chineses, bem como grifes internacionais recém-chegadas em Pequim. Espere coleções irreverentes, com forte apelo fashionista e preços equivalentes aos de renomadas grifes de luxo. brandnewchina.cn

Shang Xia – Com pontos também em Xangai e Paris, a Shang Xia oferece mix composto de moda, joalheria, objetos para casa e presentes. As peças seguem o estilo minimalista e são feitas com materiais de alta qualidade. Tem boa opções de casacos inspirados nos tradicionais quimonos, com design moderno e autêntico. shang-xia.com

Etiqueta Socialista

A China é o país mais populoso do mundo e opera em regime socialista governado pelo Partido Comunista. O que isso significa para um turista capitalista ocidental?

1. Você terá de se adaptar a algumas regras locais, como o monitoramento da internet. Redes sociais e serviços providos pelo Google são bloqueados. Na verdade, é possível acessá-los por meio de uma rede VPN (Virtual Private Network) – recomenda-se fazer o download antes de entrar no país. Essa não é uma prática ilegal, mas também não significa que o uso é completamente livre de espionagem. Acessar ou compartilhar conteúdo pornográfico é considerado crime na China.

2. O aplicativo mais popular para a troca de mensagens é o WeChat (uma espécie de Whatsapp) e residentes pagam até contas com esse serviço.

3. Política não é um assunto confortável para discutir com nativos em uma reunião informal. Prefira tópicos mais leves e sem grandes comparações com países do Ocidente.

4. Não é porque produtos “made in China” circulam a preços baixos em outros países que isso acontece em seu país de origem. Em Pequim, os valores são equivalentes aos de grandes cidades como Nova York e Paris.

5. Pequim é congestionada e muito poluída. Antes de sair para um passeio, cheque os indicadores de qualidade do ar. Por volta de 200, recomenda-se o uso de máscara (vendidas em farmácias e mercados). Quando está acima de 300, mesmo os nativos preferem se resguardar em ambientes fechados.