Trip

O quase centenário Le Bristol

Hotel ainda é um marco do luxo em Paris, cercado de butiques da alta-costura e dono de alguns dos restaurantes mais gostosos da capital francesa

por Luciano Ribeiro 26 Jul 2017 11:55

Localização: inaugurado em 1925, fica na Faubourg Saint-Honoré, ao lado da residência oficial do presidente da França, François Hollande. A rua tem a maior concentração de lojas elegantes de Paris. Saia do hotel, vire à esquerda e comece a reparar nas vitrines de marcas como Louis Vuitton, Hermès e Burberry, entre muitas outras. Se sua intenção é ver algo mais acessível, ali também estão localizados a Collete, concept store cuja visita é obrigatória, e o hotel Costes, com seu restaurante superestimado. Você pode andar também até a Place de la Madeleine, a Place Vendôme, o Louvre e a Champs Elysées – ou seja, quase tudo o que interessa na margem direita do Sena está ao alcance de suas pernas.

Café da manhã: a pâtisserie no Bristol é levada a sério e se destaca mesmo para altos padrões franceses. O bonjour vem acompanhado de uma cestinha com pães, croissants e biscoitos inesquecíveis – e não há exagero no adjetivo. Até hoje sonho em poder comer, diariamente, croissants tão frescos, crocantes por fora e macios por dentro, como os do Bristol, algo inexistente no Brasil. A carta de petit dejeneur oferece ainda ótimos ovos beneditinos, pancakes e pain perdu. Mesmo nos dias frios, as mesas são decoradas com flores vivas, cuidadas por jardineiros locais. Nos dias amenos, vale a pena passar pelo menos uma hora no jardim interno do hotel.

Atendimento: a tradição, no caso, faz toda a diferença. Parece que a brigada do Bristol foi treinada por mais de 100 anos. Impossível não ser contagiado pela gentileza do staff, capaz de lhe chamar pelo nome cada vez que você volta da rua. As suítes são preparadas de manhã e de tarde, algo corriqueiro nos hotéis dessa categoria, e os concierges falam, além do francês, inglês, espanhol, e até português.

Mascotes: o hotel tem dois gatos, Faraó e Cleópatra, que circulam livremente pelo lobby. É inevitável topar com pelo menos um deles durante a sua estada.

Restaurantes: o Epicure, comandado por Eric Frechon, tem três estrelas Michelin. O menu degustação traz porções que lembram pequenas esculturas. Não deixe de pedir a massa com trufas pretas, alcachofras e foie gras. O Epicure está aberto diariamente e paletó é obrigatório no jantar. Outra opção, mais informal, é o 114 Faubourg. Com uma estrela Michelin, oferece menu a 56 euros no almoço – seis ostras frescas (entrada), peixe com espinafre e baba ao rum podem ser uma opção. O bar do Bristol, perfeito para beber drinques à noite, é daqueles lugares que concentram parisienses e vive lotado nas semanas de moda. Não deixe de ir.

Oetker Collection: o Bristol faz parte da rede alemã Oetker, que em breve vai abrir seu primeiro cinco estrelas no Brasil, o Palácio Tangará, em São Paulo. Entre outros hotéis do grupo estão Hotel du Cap Eden Roc, em Cap d’Antibes, o L’Apogée, em Courchevel, e o Eden Roc, em Saint Barths.