Trip

Dicas de viagem para aproveitar Avignon

O melhor jeito de chegar, quando ir, onde ficar e como se locomover na tradicional cidade francesa

por Shoichi Iwashita 22 Jul 2016 13:19

Avignon até tem um pequeno aeroporto, mas dele só chegam e partem voos — não diários — de e para a Inglaterra e Córsega. Assim, o jeito mais fácil e rápido de se chegar à Cidade dos Papas é pelo TGV (o Train à Grande Vitesse, o trem-bala francês) que faz o trajeto entre a Gare de Lyon, em Paris, e Avignon TGV em apenas 2h40. Mas atenção! Avignon tem duas estações de trem: a Avignon Centre e a Avignon TGV, que fica um pouco mais afastada da cidade e é para lá que deve ser comprada a sua passagem (é importante ter isso em mente também para a hora em que você for fazer a reserva do seu carro!).

São mais de dez partidas diárias saindo da Gare de Lyon, entre as 6h e as 20h, e chegue cedo para aproveitar o belo salão do Train Bleu, o imponente café-bar-restaurante belle époque inaugurado nesta estação de trem no sudeste de Paris em 1901 (só viaje leve pois o Train Bleu fica acima do piso térreo e não tem elevador, tem de subir uma escadaria carregando a mala). Tome um café, uma sobremesa ou faça uma refeição leve pré-viagem; enquanto o restaurante só abre para almoço e jantar, o bar e o café ficam abertos o dia todo, das 7h30 às 22h.

E se você não ficar alguns dias em Paris antes de prosseguir para Avignon e preferir ir direto (e aproveitar Paris na volta), o trajeto entre o aeroporto Charles de Gaulle CDG e a Gare de Lyon é super tranquilo com o ônibus Le Bus Direct, que passa por todos os terminais do CDG e chega à Gare de Lyon (você vai pegar o ônibus com destino Gare de Montparnasse, que para na Gare de Lyon), sem baldeação, em 50 minutos (ou 1h15, dependendo do tráfego). E os ônibus saem de meia em meia hora, das 6h às 22h30. Dá para ir também de trem público RER, mas tem de fazer uma baldeação, o que é menos confortável.

QUAL A MELHOR ÉPOCA PARA IR E APROVEITAR AVIGNON?
Para aproveitar o que a cidade — e a Provence — tem de melhor, tem de ir em julho, não tem jeito (mesmo cheia de gente). Julho é o alto verão: faz calor (as máximas variam entre 20º C e 30º C; e os rosés típicos da Provence, geladinhos, são ótimas companhias), as chuvas são raríssimas (abaixo dos 20 mm; em setembro e outubro, passam dos 60 mm), os campos de lavanda estão floridíssimos, você vai comer tomates e frutas maduríssimos, e tem os festivais, alguns dos mais importantes do mundo.

O Festival de Avignon, desde 1947, é o mais importante evento de artes dramáticas do mundo. Ao longo de três semanas, são encenadas 40 peças (e alguns espetáculos de dança) no calendário oficial e mais de 1200 peças no calendário off. E dá para você pegar o carro e ainda conferir o Festival — incrível — de Música Lírica em Aix-en-Provence, o Festival de Fotografia em Arles…

COMO SE LOCOMOVER PELA CIDADE
Grande parte das coisas que nos interessam em Avignon está intra-muros, ou seja, por dentro da muralha medieval — uma das poucas intactas na Europa — que circunda a cidade antiga. Assim, o melhor jeito de conhecer a cidade é a pé (até por que pertinho da Rue de la République são várias as ruas exclusivas para pedestre) e de bicicleta (que te permite fazer passeios para aproveitar a paisagem nos arredores).

Mas, é impossível ficar só em Avignon. Por isso, já pegue o seu carro alugado na moderna estação Avignon TGV, pois com ele você vai conseguir explorar a região com seus vilarejos, vinhedos, campos de lavanda e as paisagens do Lubéron. Ah, outra coisa importante, não só para Avignon: use calçados confortáveis, presos e seguros. Nestas cidades antigas, são muitas as ruas de pedras, desniveladas, algumas muito lisas. Nada de salto alto, sapato com solado de couro, chinelo.

ONDE SE HOSPEDAR
Prepare-se por que em algumas cidades da Provence existem três temporadas: a baixa, a alta e a “Festival”, que é sempre a mais concorrida (e cara). Mas se a charmosa Aix-en-Provence não tem um hotel que consiga nos fazer apaixonar (seguindo os valores do nosso manifesto Simonde de hospedagem), Avignon tem um endereço para chamar de nosso: o hôtel La Mirande, que fica nos pés do Palais des Papes (você vai tomar café da manhã e jantar no lindo e aconchegante jardim tendo os altos muros do palácio como companhia) e na saída de uma das ruazinhas mais impressionantes da cidade — cavada na rocha — a rue Peyrollerie; ou seja, você estará hospedado na melhor localização podendo fazer tudo a pé. A decoração impecável do século 18, com muitos tecidos pintados nas paredes, aconchegantes estofados, salões elegantes e, volto a dizer, o agradabilíssimo jardim, que ocupam essa casa aristocrática cujas fundações são do século 12, fazem com que a gente se sinta na casa de um amigo (peça para conhecer o subsolo do hotel).

Os quartos têm ar condicionado (necessários para o calor da Provence) e para manter a fidelidade à época da decoração, as TVs ficam escondidas por trás dos espelhos antigos (o que é genial). Não bastasse tudo isso, o hotel ainda conta com um dos melhores restaurantes não só de Avignon, mas de toda a região. Para ser perfeito, só precisava de uma piscina e uma academia, nada mais. LA MIRANDE: 4, place de l’Almirande, 33 (0) 4 / 9014-2020. Diárias de € 380 a € 1220, para duas pessoas. Para acessar o site, clique aqui.

Shoichi Iwashita

Compulsivo por informação, pesquisador contumaz, apaixonado por livros, jornais e revistas, e colecionador de moleskines com anotações de viagens e restaurantes, o resultado que almeja são textos-em-contexto sobre experiências, de forma que o leitor, de posse delas, aproveite só o melhor de cada lugar; em Nova York, Tóquio, Paris ou São Paulo.

Veja mais