Trip

Como é a Alitalia pós-Etihad

Renovação faz aérea ganhar destaque entre companhias europeias

por Shoichi Iwashita 16 Jan 2017 10:08

Eu amo o colorido do verde, branco e vermelho da bandeira italiana — da pizza napoletana (manjericão, muçarela branquinha e tomate) — e dos novos uniformes de tripulação e dos aviões da Alitalia. Em qual outra companhia aérea você tem um cinto de segurança em couro rosso? Mas essas mudanças são recentes e começaram quando a Etihad, a companhia aérea do rico emirado de Abu Dhabi, comprou 49% da Alitalia, em 2014, num processo que incluiu uma recapitalização de € 76 BILHÕES (acabando com a dívida que quase faliu a empresa) e um investimento no valor de €560 milhões, sendo que €400 milhões foram injetados só em 2016. Até então, a Alitalia era considerada uma péssima opção para os viajantes (eu mesmo tinha tido péssimas experiências com a companhia).

Com essa reestruturação, que incluiu novas rotas, novo logo (uma evolução discreta aos olhos leigos), novos aviões, novos lounges em Roma e Milão, novas pinturas das aeronaves, novos interiores e novo serviço de bordo, em que o conjunto das ações têm o objetivo de reforçar o que a Itália tem de melhor — a pasta, o espresso, o vinho —, a Alitalia lançou sua Premium Economy, que está também disponível no único voo direto que opera no Brasil, diariamente, no Boeing 777-200, entre São Paulo, Guarulhos [GRU], e Roma, Fiumicino [FCO], de onde você pode prosseguir com a companhia para outros 27 destinos, só na Itália. O horário do voo também é ótimo: parte de São Paulo às 17h e chega em Roma às 7h da manhã do dia seguinte, perfeito para aproveitar o dia.

Comissários já com o novo e polêmico uniforme (“meia-calça verde?”, dizem por aí). Eu gosto. Imagem: Shoichi Iwashita

QUAL A DIFERENÇA ENTRE A ECONÔMICA E A PREMIUM NA ALITALIA?

Diferentemente de outras companhias aéreas, a franquia de bagagem de mão e das malas não muda para os bilhetes de econômica e econômica premium (impressionantemente, até para a classe executiva as regras são as mesmas): oito quilos para levar consigo na cabine e duas malas de 32 kg despachadas para bilhetes emitidos no Brasil. No aeroporto, para o check-in você poderá usar o balcão da classe executiva, na sala de embarque terá embarque prioritário (entrando no avião depois dos passageiros da executiva), mas não terá acesso à sala VIP.

Chegando ao Boeing 777-200, são apenas três fileiras com 24 poltronas Premium Economy, em cabine separada, na configuração 2 — 4 — 2 (duas poltronas na janela, quatro no meio, duas na janela; na econômica, a configuração é 3 — 4 — 3) porque os assentos são mais largos: se na econômica elas têm 43 centímetros (17 polegadas), na Premium Economy são 48 centímetros de largura (19 polegadas, e mais espaço no apoio de braços, o suficiente para caberem dois braços; não precisa ficar brigando com o seu vizinho). O espaço entre as fileiras também é maior, o que significa mais espaço para as pernas (quase 20 centímetros a mais que na econômica) com poltronas que possuem apoio para as pernas. A propósito, essa é a grande vantagem da econômica premium sobre a econômica (principalmente para quem tem mais de 1,80 m de altura), já que a reclinação, esse item tão importante para o sono, praticamente não muda (a inclinação das poltronas na econômica premium é de 120º enquanto na econômica é geralmente de 118º). Ah, no caso de você gostar de uma mesa grande para trabalhar (as mesinhas da premium economy são sempre espaçosas), não se sente na primeira fileira da classe (a de número 14 no Boeing 777, essa que está na foto acima): a mesa é daquelas articuláveis, que saem do braço da poltrona, e pequena. E se você gosta de deixar sua bolsa ou maleta no espaço embaixo da poltrona da frente, não se sente nas poltronas B e K, que ficam no corredor e possuem espaço menor no assento da frente (a minha mala de mão que é pequena — já comprei do tamanho certo pensando nisso — não coube e eu tive de deixar no bin).

Outro item que decepciona é o sistema de entretenimento, que é bem antigo e nada intuitivo. Apesar de haver um catálogo de músicas e filmes (muitos e muitos filmes italianos, que eu adoro), a tela não é touchscreen (não adianta ficar tocando na tela pois nada vai acontecer) e leva um tempinho para que você descubra o controle remoto com fio no braço da poltrona e aprenda e mexer os cursores para conseguir assistir a alguma coisa (TUDO é feito pelo controle remoto, e uma hora que dei um fast forward no filme eu não sabia parar o dito cujo, tive de apertar todos os botões do controle remoto e quando parou não me atrevi a dar um rewind ). Mas os braços das poltronas têm tomadas universais para você carregar o computador ou o tablet se quiser assistir a seus filmes neles.

O serviço de bordo também é diferenciado: servem toalhinha quente de boas vindas, o serviço de água e vinhos (italianos) é feito em copos de vidro, a nécéssaire é diferente (mas nos meus dois voos, na ida e na volta, elas não foram distribuídas), só que, assim como acontece com a maioria das companhias aéreas estrangeiras, espere por mais qualidade nos voos saindo do país de origem — no caso, da Itália — que dos voos saindo de Guarulhos. Na ida, apesar de servirem quentinho, o pão estava duro e seco, e a massa, completamente empapada; bem diferente da volta, quando além da comida estar melhor, ainda serviram um espresso Lavazza e limoncello após a refeição. De resto, eu adoro as cores da cabine: poltronas em tecido cinza e couro mostarda, os detalhes em madeira das divisórias que separam as classes, os cobertores e travesseiros verde-pistache costurados com linha grossa vermelha e os uniformes vermelhos das comissárias. É como já estar na Itália sem mesmo decolar de Guarulhos.

O PREÇO DAS PASSAGENS PREMIUM ECONOMY
Considerando que pela Air France, a diferença entre uma passagem na econômica e premium economy pode chegar a 130%, o que não vale a pena , nas pesquisas que fiz com as tarifas da Alitalia na semana do dia 2 de janeiro de 2017, para várias datas no primeiro trimestre de 2017, a diferença não passou de 30%. Teve até alguns dias em que a premium economy estava mais barata que a econômica! Por exemplo, para um bilhete saindo no dia 15 de março e voltando no dia 22, em voos diretos GRU — FCO — GRU, paga-se R$ 3.449,67 com taxas inclusas na econômica, e R$ 4.455,22 na premium economy (uma diferença de 29,14% em relação à tarifa da econômica), e na executiva flat-bed, R$ 8.335,18. Ou seja, a diferença de tarifa é justa para um poltrona mais larga e com mais espaço para as pernas para um voo de quase 12 horas.

A ALITALIA NA ITÁLIA
Se a comida de avião nunca pode ter sua qualidade comparada com a de um restaurante, ao chegar no aeroporto de Roma, o Fiumicino, você já pode se deliciar com os ingredientes deste país famoso por sua cozinha. Além do wi-fi ótimo e gratuito, são muitos os cafés e bares de vinho, de queijos e pequenas refeições onde você pode aguardar o seu próximo voo se você estiver numa conexão para Milão, Veneza, Florença ou Palermo, alguns dos 27 destinos italianos que a Alitalia atende. A única desvantagem da grande maioria dos aeroportos italianos é que eles não possuem fingers, todos os embarques são remotos, e o transporte entre a sala de embarque e os aviões é feito por ônibus.

 

Shoichi Iwashita

Compulsivo por informação, pesquisador contumaz, apaixonado por livros, jornais e revistas, e colecionador de moleskines com anotações de viagens e restaurantes, o resultado que almeja são textos-em-contexto sobre experiências, de forma que o leitor, de posse delas, aproveite só o melhor de cada lugar; em Nova York, Tóquio, Paris ou São Paulo.