Motor

Testamos o novo Jeep Renegade 2017

Cidade americana Utah já está pronta para mais uma temporada de neve

por Alexandre Taleb 25 Nov 2016 10:05

Tive o prazer de testar o Jeep Renegade com motor Multijet 2.0 turbodiesel no Hotel Fasano Boa Vista! O carro é super econômico e tem um desempenho fantástico, só pisar no acelerador que ele voa. Dentro da categoria, com certeza ele é o melhor e superou expectativas.

Todas as versões, inclusive as com motor Multijet 2.0 turbodiesel, incorporam itens de série, melhorando ainda mais a relação custo/benefício. É o unico SUV compacto que não deriva de carro de passeio. Com uma plataforma própria, ponto de partida inclusive para modelos maiores, o Jeep Renegade mantém exclusividades no segmento como motor diesel, câmbio automático de nove marchas, suspensão independente nas quatro rodas, dois tipos de teto solar, entre várias outras. E a linha 2017 do Renegade já está disponível nas 200 concessionárias da marca Jeep com uma série de novidades.

As versões do SUV compacto mais premiado dos últimos anos equipadas com o motor 1.8 EtorQ Evo Flex receberam um abrangente pacote de evoluções técnicas, com ênfase na eficiência energética. São elas:
– coletor de admissão variável (VIS)
– partida a frio sem tanque auxiliar
– sistema Stop&Start
– monitoramento indireto da pressão dos pneus (iTPMS)
– indicador de troca de marchas no quadro de instrumentos
– pneus “verdes”
– alternador inteligente
– bomba de combustível inteligente
– óleos de baixo atrito para motor e transmissão

As alterações no propulsor fizeram o Jeep Renegade 1.8 Flex ficar 5% mais potente, rendendo 7 cavalos a mais. Agora a potência máxima é de 139 cv a 5.750 rpm, com etanol. O torque máximo subiu para 19,3 kgfm a 3.750 rpm e, mais importante, a força é entregue de forma mais linear por toda a faixa de giros. As alterações resultam em melhor desempenho, maior agilidade nas situações mais corriqueiras de trânsito, mais prazer ao dirigir e menores índices de consumo e de emissões – até 10% a menos, dependendo da versão.

Com o coletor de admissão variável, também chamado de VIS (sigla inglesa para Variable Intake System – sistema de admissão variável), o motor 1.8 EtorQ Evo passou a responder com mais prontidão, algo notado especialmente em baixas rotações. Afinal, estudos com os consumidores apontam que em 80% do uso urbano o motor opera abaixo de 2.000 rpm. Em resumo, são dois coletores em um só: até 4.000 giros, o ar que vai para os cilindros passa por um caminho mais longo, favorecendo o torque. Acima dessa rotação, uma aleta é acionada e faz o ar percorrer um trajeto mais curto, gerando mais potência.

O sistema Stop&Start contribui decisivamente com a redução do consumo, desligando o motor em paradas de semáforo ou engarrafamentos, e religando de forma sutil, assim que se solta o pedal do freio (quando o câmbio é automático) ou a embreagem é pressionada (com a caixa manual). Ao lado do câmbio, uma tecla no console permite desligar o sistema, se o motorista preferir. A função Autostop não se ativa em situações como: motor frio, veículo em rampa, bateria fraca e cinto do motorista desafivelado, entre outras. E a partida é dada sem ação do motorista se o motor estiver desligado por mais de três minutos e se o ar-condicionado estiver ligado (nesse caso, a parada é limitada a um minuto), para citar as principais condições.

Já o sistema eletrônico de partida a frio traz, além de economia, comodidade ao motorista, que não precisa mais se preocupar em abastecer o extinto tanquinho adicional de gasolina. O recurso, que aquece o combustível dentro do tubo distribuidor, entra em ação sempre que a temperatura é inferior a 16°C e há mais de 70% de etanol no tanque.
Os pneus “verdes” diminuem a resistência de rolagem, contribuindo em até 2% na redução do consumo de combustível. Além disso, eles geram menos ruído e têm desempenho mais constante ao longo da vida útil. E, para complementar esse hardware, um software faz o monitoramento da pressão dos pneus e avisa, pelo quadro de instrumentos, quando um deles está murcho. Essa tecnologia é extremamente confiável e funciona por meio das leituras do ABS e do controle de estabilidade (ESC).

Outro importante recurso que todo Renegade com o motor 1.8 Evo recebeu foi o modo de condução Sport. Acionando esse botão no painel, logo acima dos comandos do ar-condicionado, o carro não apenas apresenta uma sensação maior de prontidão, como realmente entrega mais desempenho. O acelerador fica mais direto e, nas versões com câmbio automático de 6 marchas, o ajuste é focado em performance, demorando mais para trocar as marchas, entre outras medidas.

Nova versão de topo com o motor 1.8 Flex, ela tem como maiores diferenciais visuais a pintura prata na grade dianteira, capas dos retrovisores externos e barras de teto. O teto é sempre pintado de preto, e as rodas de 18 polegadas têm pintura exclusiva. Entre os equipamentos a mais que a versão Longitude 1.8, destaque para:
– bancos de couro
– chave de presença Keyless Enter’n Go
– tela de TFT de 7 polegadas, colorida e configurável no quadro de instrumentos
– faróis de xenônio
– sensores de faróis e de chuva
– rebatimento elétrico dos retrovisores
– espelho interno eletrocrômico

Mais equipamentos
A maioria das versões do Jeep Renegade 2017 ficou ainda mais equipada, com novos itens de série, distribuídos da seguinte maneira:

Sport
– porta-óculos
– barras longitudinais de teto
– banco do passageiro rebatível e com porta-objetos sob o assento
– central multimídia Uconnect 5” com tela de toque, GPS e câmera de ré (com motor 2.0 Diesel)

Longitude
– porta-óculos
– bancos de couro (com motor 2.0 Diesel)

Trailhawk
– air bags laterais, de cortina e de joelhos para o motorista
– faróis de xenônio
– chave de presença Keyless Enter’n Go
– bancos de couro
– rebatimento elétrico dos retrovisores

Alexandre Taleb

Alexandre Taleb é consultor de imagem, assessora pessoas e empresas a atingir autenticidade, credibilidade e autoconfiança através da imagem pessoal. Escreve para revista italiana Cavalluce Lifestyle, ministra palestras e workshops sobre imagem, etiqueta, comportamento, moda e dress code corporativo no Brasil e exterior.

Veja mais