Motor

Mercedes revela sua Besta do Inferno Verde

Novo superesportivo da montadora é uma homenagem ao autódromo de Nurburgring

por Rebeca Martinez 27 Jun 2016 13:48

A última sexta-feira, 24, marcou a estreia mundial do novo superesportivo da Mercedes AMG, chamado de Beast of the Green Hell, em Goodwood no Reino Unido.

O nova AMG GT R revela suas origens logo de cara, com sua tonalidade “verde inferno” e aspecto agressivo. Mas é ao pisar nela que sua concepção, cuja maior parte do tempo se deu na pista de Nurburgring, revela-se. À distância ouve-se o rugir da besta, que pode chegar a 318 km/h. Tal velocidade é alcançada graças a um interior potente, com motor central biturbo V8 de 585hp.

O nome do veículo é uma homenagem ao circuito de Nurburgring, apelidado de “Green Hell” por John Young Jackie Stewart, tricampeão de Formula 1. A pista é uma das mais perigosas do planeta. Em seus mais de 24 km de pistas irregulares, desafia os engenheiros na luta contra o cronômetro.

Para obter sucesso neste novo veículo, a Mercedes tirou cerca de 15 quilos e acrescentou 75 cavalos em relação á versão S. A melhora na performance foi alcançada com a ajuda de novos turbo compressores, que têm sua usinagem modificada e o afiado mapeamento do motor. A fibra de carbono aparece nos paralamas, asas dianteiras e no tubo de torção entre o motor e transmissão, este último 40% mais leve e com uma rigidez 7.5% maior que a versão anterior.

O resultado se vê não apenas na velocidade, mas na altíssima precisão de pilotagem. O câmbio AMG SPEEDSHIFT DCT 7 tem transmissão esportiva com a primeira marcha mais longe e a sétima mais curta.

Tudo no Beast of the Green Hell foi desenvolvido para dar estabilidade em grandes velocidades. Asas traseiras e dianteiras mais largas, os novos aerofólios e parachoque com difusor duplo na traseira formam um conjunto que garante maior aderência na hora de encarar as curvas, mesmo as mais agressivas. Seu sistema controle de tração é ajustável de nove diferentes maneiras.

Pela primeira vez, uma AMG GT apresenta quatro rodas direcionais. Ou seja, as rodas traseiras passam a acompanhar a direção das rodas dianteiras a partir dos 100km/h. O cilindro com revestimento NANOSLIDE® é o usado nos motores da Mercedes AMG PETRONAS. O equipamento é menos suscetível ao desgaste, por ser mais duro do que os de ferro fundido cinzento convencional, tendo fricção reduzida quando combinado aos pistões de alumínio forjado, o que ajuda a aumentar a eficiência.

O veículo eleva o significado da palavra “esportivo” a outro patamar, difícil de alcançar. Enquanto outros motores roncam, o da “Beast of the Green Hell” ruge. Ele deve tornar-se o novo som favorito de quem é louco por velocidade.

Rebeca Martinez

Desde pequena mostrava opinião e gênio fortes. Nem sempre aquilo que interessava aos outros lhe chamava a atenção. Aproveita todo momento para conhecer um lugar novo, seja uma cidade, restaurante ou um automóvel. Para ela, buscar algo diferente traz sempre emoção.

Veja mais