Motor

Easy Rider

Famoso mecânico e restaurador brasileiro, Crystiano Miranda percorre 5.300 quilômetros na corrida de motos mais longa dos EUA

por Gabriel Bordin 3 Ago 2017 11:12

Chrystiano Miranda tem uma longa história com motos. Desde pequeno foi cercado pelo universo das duas rodas graças aos seus primos, tios e pais. Não surpreende ver que hoje Miranda dedica todo o seu tempo à manutenção delas, em especial as Harley-Davidsons, em sua oficina paulistana, a Garage Metallica. “A concepção da oficina nasceu em 2002, com um conceito que pudesse funcionar tanto no Brasil quanto fora. A banda claramente foi uma influência. Uni o útil ao agradável em um nome simples”, explica. Porém, uma vez a cada dois anos o mecânico se desliga da oficina, arruma sua mala e viaja para a América do Norte para uma das corridas mais difíceis do mundo.

Quando não está cuidando da Garage Metallica, Miranda é um dos mecânicos mais cobiçados do Motorcycle Cannonball Endurance Run, corrida na qual pilotos e equipes cruzam os Estados Unidos de Leste a Oeste em aproximadamente duas semanas. O evento bienal foi inaugurado em 2010 e conta com a participação de apenas pilotos convidados. O mecânico disputou de três das quatro edições do evento, trabalhando para o piloto Dean Bordigioni, vencedor nos anos de 2014 e 2016. “Cannonball é uma corrida única e muito difícil. Na primeira edição que participamos, éramos novatos, não estávamos preparados para refazer o motor da moto três vezes em cinco dias. Foi um processo gigantesco de aprendizagem. Em 2018 estaremos lá novamente, e para levar mais um título para casa”, conta ele, esperançoso. As motos participantes do evento são antigas e divididas em categorias conforme sua idade. “São sempre três classes, dependendo do ano. Na edição de 2016 foram apenas motos feitas antes de 1916. Já no ano anterior a data limite de fabricação foi 1930, e por aí vai. Não é uma regra. As idades sempre mudam a cada edição, sendo anunciadas um ano antes do evento”, explica.

BARES PARA MOTOQUEIROS
Shibuya Garage – SP
O local segue o estilo do bairro japonês de mesmo nome, que concentra bares, baladas e garagens undergrounds conhecidas ao redor do mundo. Hoje, a garagem é premiada no Brasil e no mundo pelo seu trabalho de customização. São projetos dos mais variados e imagináveis, que incluem motos sem barreiras de estilos. Carros também podem receber a assinatura da casa. O cliente pode consumir todo o lifestyle do local em forma de música, arte e moda.

Johnnie Wash – SP
A casa é montada no estilo all in one, que reúne bar, music stage, oficina de customização e loja de acessórios. Uma das grandes atrações do local é o rooftop que fica sobre o estabelecimento. É a área mais concorrida da casa e é fácil entender por que – lá são servidos deliciosos cortes de carnes selecionadas. O Johnnie Wash ainda tem um drink-trailer exclusivo, com coquetéis reproduzidos de diversos locais do mundo.

Road Burguer – SP
Com arquitetura que parece vinda direto de um dos estados do sul dos Estados Unidos, este bar na Mooca é ponto certo para encontros de motociclistas. Motos e acessórios estão espalhados por todo lugar, inclusive no teto. Não espere se livrar da temática do estabelecimento ao olhar para o cardápios. Os pratos e lanches são nomeados de acordo com tradicionais marcas e modelos de motos, como Indian, Iron, Harley-Davidson e Triumph.

Jacaré Grill – SP
Não foi planejado, mas o bar da Vila Madalena acabou se tornando ponto de encontro de motos custom. O ambiente é familiar, mas sem deixar de lado as tradições rock ‘n’ roll. A arquitetura permite boa iluminação e ventilação, o que faz o bar ser um local relaxante. O cardápio é composto de receitas saborosas, como a costelinha de porco com molho de manga. Cervejas variadas e drinques completam o menu.

Heavy Duty – RJ
Orgulhosamente, o bar com o pior atendimento do Rio de Janeiro. Esse local inusitado da Praça da Bandeira é o puro estilo do it yourself. Isso porque você pede, busca e paga o consumo no balcão e direto com o dono do estabelecimento, que não fará questão nenhuma de ser bem-educado. Acontece que essa virou a marca registrada do Heavy Duty e o que atrai motociclistas de toda a cidade. Neons são espalhados por todo o local, o que dá um ar de casa de shows clássica, com sinuca, caveiras e motos completando a decoração.

Gabriel Bordin

Surfista de feriado e aficionado por motos. Jornalista porque acredita que é a melhor forma de se dissipar uma ideia e lifestyle. Guarda um amor incondicional por fotografia e produção de vídeos, acreditando que cada pequeno detalhe capturado é responsável pela composição do significado final de uma obra.