Moda

Os relógios usados nas trincheiras de Dunkirk

As peças que marcaram história em uma das batalhas mais importantes do século 20

por César Rovel 9 Ago 2017 10:46

O século 20 será sempre marcado pelas duas grandes guerras que dividiram nações e deixaram uma marca devastadora na história. Soldados arriscavam e davam suas vidas por seus países. No lado dos aliados, muitos deles contavam com seus relógios Omega para sobrevivência. A marca foi uma das grandes fornecedoras de relógios durante as duas guerras e é reconhecida até hoje pelo importante papel que desempenhou.

Primeira Guerra Mundial
Importantes diferenciais fizeram da Omega um grande fornecedor de relógios militares no início da Primeira Guerra, em 1914. Precisão era a primeira vantagem – a marca possuía uma forte história de registros de observatório que comprovaram a precisão de seus relógios. Mais importante, a capacidade de fabricação da Omega garantia o fornecimento de grandes quantidades de relógios precisos de pulso e de bolso. Rapidamente a marca tornou-se a primeira opção para o Ministério da Defesa da Grã-Bretanha e seus aliados.

Quando a guerra foi para as trincheiras, os cronógrafos Omega se tornaram ferramentas essenciais para os oficias de comando. Cronometrando a diferença de tempo exata entre o flash e os sons de tiros dos inimigos, eles eram capazes de calcular a distância entre eles e o inimigo: uma importante ferramenta de informação para planejar os ataques.

Segunda Guerra Mundial
A reputação da Omega continuou em alta durante a II Guerra. A marca enviou mais de 110.000 relógios para o Ministério da Defesa da Grã-Bretanha para apoiar sua Força Área e Pilotos Navais. Isso significa que mais de 50% de todos os relógios suíços enviados para o Reino Unido durante a guerra veio de uma única marca, com todas as outras relojoarias dividindo a outra metade. Da Grã-Bretanha aos Estados Unidos, França e até na Grécia, todos os aliados contavam com relógios Omega.

O CK2129 – usado por Tom Hardy em Dunkirk

O modelo CK2129 foi o Omega mais usado pela Força Aérea Real no início da Segunda Guerra Mundial. Seu aro giratório exclusivo foi valioso para pilotos e marinheiros durante as missões, pois permitia cronometrar o tempo de intervalos específicos. Nos bombardeios, por exemplo, essas cronometragens tornaram-se cruciais. O aro giratório também podia ser travado pela 2a coroa do relógio, de modo que impactos acidentais não afetassem a marcação de tempo. O recém-lançado “Dunkirk”, filme dirigido por Christopher Nolan, acertou ao colocar este modelo no pulso do personagem da Força Aérea Real de Tom Hardy. Duas mil peças foram entregues ao Ministério da Defesa da Grã-Bretanha no começo da guerra. O relógio foi concebido para proporcionar uma fácil leitura, contrastando seu mostrador creme com numerais arábicos e ponteiros escuros.

O UK/CK2292 – The Spitfire Watch

Com a Guerra progredindo, a Omega enviou mais modelos para o Ministério da Defesa da Grã-Bretanha. O UK/CK2292 é talvez o mais famoso e mais usado de todos. Eles foram fornecidos para a maior parte da Força Aérea Real (RAF) e da Aviação Naval Britânica (FAA). Dentro estava o inovador calibre 30 mm, que tinha estabelecido inúmeros recordes mundiais de precisão em testes de observatório. Era muito mais resistente ao magnetismo devido a uma nova liga utilizada na criação da espiral do balanço. Isso foi de grande utilidade aos pilotos que voavam com os aviões Hurricane e Spitfire, que ficavam sentados a apenas dois metros do enorme campo magnético de seus poderosos motores.

O CK2444 – O relógio à prova d’água

No fim da II Guerra, quando o campo de batalha moveu-se para o Oceano Pacífico, outro relógio Omega entrou em serviço. O modelo CK2444 se tornou conhecido pela excelente resistência à água. O Ministério da Defesa da Grã-Bretanha concedeu-lhe a gravação w.w.w no fundo, que significava “Relógio de Pulso à prova d’ água”. O desenho de uma seta larga no mostrador e no fundo do relógio é um símbolo militar britânico.

O legado
Com a guerra vencida pelos aliados, o Marechal de Campo Lord Montgomery, herói do El Alamein e da Operation Overload, solicitou especificamente uma visita às fábricas da Omega em Biel, na Suíça. Em duas viagens separadas, uma oficial e uma privada, expressou sua satisfação com os relógios da Omega durante a guerra e se reuniu com representantes da empresa para agradecer pela ajuda da marca. A Omega continuaria a fornecer relógios militares no futuro. Mais importante ainda, as lições aprendidas pela marca durante as duas guerras fortaleceram seus conhecimentos e capacidades gerais. Também criou uma plataforma importante para o progresso e foi um fator determinante para que em 1948 surgisse a coleção Seamaster.

César Rovel

César Rovel fundou em 2006 o site Relógios & Relógios, dedicado exclusivamente à relojoaria. Anualmente faz a cobertura dos salões Baselworld e SIHH – Salão Internacional da Alta Relojoaria, na Suíça, e do SIAR, no México. É membro do Cartier Fine Watchmaking Club e do Montblanc 4810 Club.

Veja mais