Moda

De Volta ao Lar

Um ano após retornar à Hugo Boss como diretor criativo, Ingo Wilts renova linhas e traz um lifestyle mais moderno à tradicional alfaiataria alemã

por Artur Tavares 13 Out 2017 11:35

O nome de Ingo Wilts está ligado ao mundo masculino da moda há quase três décadas. Ele fez fama no Velho Mundo como diretor de produtos da Hugo Boss nos anos 90, e na década seguinte cruzou o oceano para cuidar de Tommy Hilfiger nos Estados Unidos. De volta à alfaiataria alemã no final de 2016, Wilts tinha como missão profissional trazer ares mais modernos para a marca à qual ele devia seu sucesso.

A temporada de inverno da Semana de Moda de Nova York, em janeiro, foi o primeiro teste da Boss após o retorno de Wilts. A crítica especializada internacional vibrou. Uma revista norte-americana cravou: “Hugo Boss reinventa a moda masculina”. Com twists inovadores em peças que fizeram sucesso nos anos 80 e 90, a coleção de Wilts foi considerada “o caminho certo” pelo site WWD. Na Pitti Uomo de junho passado, foi a vez da linha Hugo – de toques mais jovens – brilhar. A partir da coleção primavera/verão 2018, toda a reformulação da Hugo Boss promovida por Ingo Wilts terá acabado. A Carbono Uomo conversou com exclusividade com o alemão sobre seu novo momento frente à marca.

Carbono Uomo
Você voltou para a Hugo Boss após trabalhar na Kenneth Cole e na Tommy Hilfiger. Como analisa sua volta para a marca alemã?

Ingo Wilts
Trabalhei em cidades incríveis como Nova York e Amsterdã e essas experiências estão ajudando no meu trabalho diário na Hugo Boss. Estou na indústria da moda há 26 anos. Mais da metade da minha carreira foi desenvolvida aqui. Conheço a marca de dentro para fora. Amo a linha de design limpa, a atitude sofisticada e o alcance internacional dela.

Carbono Uomo
Qual era sua proposta inicial para renovar a marca?

Ingo Wilts
Quando voltei, queria ajudá-la a evoluir para um novo patamar. Acho que já é possível ver essa energia renovada e esse foco nas coleções atuais de Boss e Hugo.

Carbono Uomo
Vimos inovações em Boss durante a temporada outono/ inverno da Semana de Moda de Nova York, em janeiro. Um guarda-roupa mais flexível combinava com os tradicionais ternos da marca. A tendência continua nas peças mostradas no último mês de julho, para a temporada primavera/verão?

Ingo Wilts
Somos conhecidos mundialmente por nosso DNA na alfaiataria, mas Boss é mais do que apenas o terno perfeito. A modernidade, a inovação e o amor pelos detalhes são elementos fundamentais do menswear. Estamos imersos nessas fundações, mas trazendo novos aspectos a elas, com um resultado mais rápido em termos de moda. O terno continuará sendo nosso produto-chave, mas agora será cortado e estilizado de maneira moderna. A coleção primavera/verão 2018 de Boss se chama “Summer of Ease” (“O Verão da Leveza”, em tradução livre). O mood em geral é leve, etéreo e desempedido, mas de uma maneira refinada aos moldes de Boss. Há uma atmosfera náutica forte. Nosso conceito é do homem que viaja da cidade para balneários em pleno alto verão. É possível ver essa inspiração de maneira mais clara nos detalhes funcionais dos figurinos marítimos, nas listras e também nas cores divertidas que escolhemos.

Carbono Uomo
A moda masculina em geral tem mostrado uma aproximação maior com o lifestyle do que com a formalidade tradicional. Podemos dizer que a moda masculina hoje reflete as atitudes de um público mais jovem do que o homem de negócios clássico?

Ingo Wilts
A morte do terno é falsamente proclamada a todos os momentos, mas mesmo assim o costume prevalece. O terno tradicional para business ainda é nosso produto icônico. Os consumidores continuam a associar nossa marca com peças formais em primeiro lugar. Mas, o dress code das roupas formais mudou e hoje é menos rígido. Um costume formal é muito mais do que um terno preto com uma camisa branca e uma boa gravata. Você pode combinar um terno com tênis e camiseta, criando um look formal com elementos casuais. Além disso, a própria alfaiataria está mais relaxada, com ombros mais leves e tratamentos esportivos.

Carbono Uomo
Hugo tem usado millennials como modelos em suas novas campanhas. Essa escolha reflete novos desejos dos consumidores, como uma moda mais fluida e acessível, e menos conceitual do que a das passarelas?

Ingo Wilts
Estamos vivendo na era digital, e a moda reflete o espírito do nosso tempo. Ao longo de suas últimas coleções, Hugo teve como alvo uma audiência mais consciente das tendências. Além disso, nossa estratégia de comunicação tem sido utilizar as mídias sociais e on-line para engajar consumidores conectados.

Carbono Uomo
Iremos ver mais semanas de moda com a participação de Hugo, mas sem aparições da linha Boss? Como a diretoria trabalha as duas linhas separadamente?

Ingo Wilts
A fim de alcançar os consumidores de maneira rigorosa e certeira, a Hugo Boss decidiu operar apenas com duas marcas, Boss e Hugo. O posicionamento delas fortalece nossa companhia no segmento premium mais alto. Não há distinção de importância entre as duas. Fizemos um desfile combinando-as em Florença. Queremos que Boss seja exemplo de menswear neste ano.

Carbono Uomo
Haverá mudanças nas duas linhas casuais de Hugo Boss, Boss Orange e Boss Green?

Ingo Wilts
A partir da primavera/verão 2018, Boss Orange e Boss Green serão integradas à linha Boss, oferecendo uma experiência consistente para todas as necessidades de vestuário.

Carbono Uomo
A Hugo Boss foi uma das primeiras marcas atuais da indústria de moda a atuar no Brasil. Com esse novo momento para Hugo, veremos lojas exclusivas da linha abrindo no País?

Ingo Wilts
Acabamos de desenvolver uma nova geração de lojas-conceito para Hugo, e estamos considerando levá-las para diferentes locais ao redor do mundo, como o Brasil.

Carbono Uomo
Com esse novo momento nas linhas Hugo e Boss, algo muda na estratégia global da marca?

Ingo Wilts
Hugo tem apelo junto a uma base mais jovem de consumidores, com coleções oferecidas a preços atrativos. Boss, por outro lado, é a linha que oferece ternos de luxo, além de casualwear sofisticado. A companhia espera aumentar significantemente sua presença de mercado no segmento de casualwear, que vem crescendo. O realinhamento do portfólio da marca estará completo com a chegada da coleção primavera/verão 2018.

Artur Tavares

Sob o signo de câncer, nasceu de oito meses. Desde este infortúnio, mostrou-se impaciente. Soube aproveitar esta peculiaridade e transformá-la em curiosidade. Odeia rejeitar convites para restaurantes, está sempre com um livro e adora passar os finais de semana em meio à natureza, com suas companhias favoritas e o melhor da música eletrônica.

Veja mais