Lifestyle

Brexit deve impactar negativamente o mercado de luxo

Reino Unido deixar a União Europeia trará queda no consumo a curto prazo

27 Jun 2016 12:02

Queda na demanda de consumo já é esperada pelo setor após o resultado do referendo britânico que definiu a saída do Reino Unido da União Européia. A libra mais barata, no entanto, pode impulsionar o turismo e as exportações.

A decisão dos britânicos de sair da União Européia, oficializada após o referendo do último dia 24, terá efeitos inevitáveis no mercado de luxo global. Estima-se que o setor movimente 32 bilhões de libras por ano na economia do Reino Unido e especialistas crêem numa queda na demanda de consumo no curto prazo e na desvalorização dos papeis das marcas de luxo inglesas.

“A indústria de luxo global tem de estar preparada para uma retenção na demanda”, disse Luca Solca, head do setor de luxury goods do banco Exane BNP Paribas. Para ele, além do óbvio impacto na economia inglesa, é provável que uma desestabilização do PIB global aconteça, graças a uma queda na confiança no bloco europeu.

Desvalorização da libra pode estimular o turismo e as exportações. Já o consumo de luxury goods no mercado interno deve sofrer retração.

O grupo Kering, dono de marcas como a Gucci, YSL e Bottega Veneta, divulgou nota afirmando que ainda é cedo para avaliar as implicações deste referendo, mas que confia na habilidade do grupo em se adaptar ao novo ambiente e que “permanecerá a acolher iniciativas para reforçar a colaboração no que diz respeito ao comércio, talento ou apenas troca de ideias” com os britânicos.

Turismo e moda
Tão logo a apuração do referendo revelou a saída do Reino Unido da comunidade economica europeia, a libra esterlina despencou de valor. O registro negativo foi o pior desde 1985. No curto prazo, esta desvalorização da moeda britânica pode ter um efeito positivo, estimulando o turismo e as exportações, conforme análise divulgada pelo instituto Walpole, que representa as marcas de luxo britânicas. Para ela, no entanto, é vital que se mantenha o acesso do mercado europeu ao segmento luxo inglês nestes novos tempos, afim de garantir a sobrevivência do setor.
O British Fashion Council manifestou sua preocupação e disse que, agora, terão o papel de manter o futuro governo – já que o primeiro-ministro, David Cameron, entregou o cargo – a par das prioridades da moda inglesa, além de acompanhar o impacto da mudança nos negócios do setor.