Lifestyle

As festas mais de rua mais quentes do RJ

Neste verão, as baladas gratuitas são a sensação da noite carioca

por Ricardo Moreno 18 Jan 2017 09:59

Por Rafael Bittencourt, especial para o The Summer Hunter

A tendência é global: pouco a pouco, o mundo – de Paris a Pequim, de Roma ao Rio – está redescobrindo a importância e as delícias de ocupar espaços públicos. Seja com a criação de novos formatos de parques urbanos, a exemplo do High Line em Nova York ou o Minhocão em São Paulo, seja com a apropriação de locais abandonados para algumas das melhores e mais democráticas festas que acontecem em cidades como Berlim e Londres.

O carioca, no entanto, nunca deixou de aproveitar a vida outdoor, afinal o que não faltam por aqui são motivos para se divertir a céu aberto. Por isso mesmo, aderir à moda de experimentar a cidade de outras formas foi só um pequeno passo para quem já se esbaldou nas rodas de samba nas calçadas da Lapa e na Pedra do Sal, se encantou com o chorinho na Travessa do Ouvidor ou já seguiu os cortejos dos blocos de Carnaval pelas ruas da cidade, para ficarmos apenas em alguns exemplos.

Mas agora esse movimento no Rio de Janeiro foi noite adentro. “Em tempos de crise ficou um pouco mais difícil frequentar e produzir festas em casas noturnas todos os finais de semana”, conta a fundadora da festa de hip-hop LUV, Nicole Nandes.

A alternativa foi ocupar as praças da cidade e assistir ao sol nascer na Baía de Guanabara ao som de batidas eletrônicas de DJs internacionais, como acontece na O/nda , ou até mesmo curtir um samba no simpático coreto da Praça São Salvador em Laranjeiras.

Shows na Pedra do Leme não são menos comuns durante o verão, assim como algumas surpresas no Arpoador (sempre após o pôr do sol), mas a região central da cidade é onde a maioria das festas gratuitas acontecem sem hora para acabar, basta ficar atento à programação (muitas vezes os locais só são anunciados horas antes do evento) e seguir o fluxo.

Mas a gente te dá o caminho das pedras:

• Para quem gosta de reggae, a Digitaldubs vem há anos fazendo vários eventos com a filosofia dos potentes sound systems jamaicanos em praias e praças, da zona norte à zona sul.

• A novíssima Solta promete muita malemolência latina, como salsa e mambo misturados com sons africanos.

• A rua Álvaro Alvim, na Cinelândia, virou a pista oficial do Rivalzinho , bar anexo do Teatro Rival, que recebe shows, DJs e até famosas festas como a Bootie Rio, conhecida por suas mash-ups, e a brasileiríssima Batmakumba.

• O Leão Etíope do Méier também é um ponto certo para os mais diversificados acontecimentos, como shows de jazz, rock e MPB, blocos de Carnaval, batalhas de MCs e rodas de samba.

• Para quem quer ficar por dentro da crescente programação eletrônica carioca, outra boa dica é seguir o Flutuante Attack, que está por trás da produção dos principais fervos grátis deste verão.

Vai com fé!

*Este post faz parte do especial do The Summer Hunter sobre o verão no Rio de Janeiro patrocinado pela Air France.

Ricardo Moreno

Ricardo já publicou seus textos em jornais, sites e revistas como Wallpaper*, Wired Itália, El País, Freunde von Freunden, GQ, Playboy e Folha de S.Paulo. Foi diretor da Galileu e Band Outernet, editor de mídias digitais da MTV e Trip. É fundador do The Summer Hunter, e atualmente também trabalha como correspondente da revista Monocle.