Gastronomia

Café da manhã o dia todo

Na Padoca do Maní, pães, bolos, sucos e comidinhas sempre são do jeito que a gente gosta

por Shoichi Iwashita 31 Jan 2018 15:00

Com apenas 24 lugares sentados, é bem prudente evitar os fins de semana pela manhã, a não ser que você não acorde com fome e não se importe em ficar esperando trinta minutos ou uma hora por uma mesa, em pé, na calçada, sem lista de espera. Durante a semana, se você quiser tomar café de manhã, de manhã (quando os restaurantes da Joaquim Antunes ainda estão fechados para almoço e seus manobristas ainda não estão trabalhando), também vai ter problema para parar o carro: a Padoca do Maní não tem serviço de manobrista, não tem estacionamento próximo, a estação de metrô mais próxima é a Fradique Coutinho (a 700 metros), é proibido parar o carro na movimentada rua e, nas ruas adjacentes, as vagas são concorridas (você vai precisar dar voltas e mais voltas). Parar o carro é um motivo de estresse já na chegada (e com fome, a irritação aumenta ainda mais). Por isso, o melhor jeito de chegar à Padoca do Maní é de táxi ouUber. {Conheça o manifesto Simonde do café da manhã perfeito, clicando aqui.}

Mas uma vez lá, durante a semana e com uma mesa, é só se deixar apaixonar pelo ambiente, pelas comidinhas — bolos, salgados e pães, tudo feito na casa — expostas no pequeno salão e pelo café da manhã — ou da tarde — mais charmoso de São Paulo. No cardápio, super redondo, e do saudável ao prazeroso, tudo é preparado, servido e apresentado do jeito que a gente gosta: dos ovos mexidos com shiitake e ora-pro-nóbis ao hambúguer vegano com saladinha, passando pelas sete opções de salada até o suco verde (feito no liquidificador com abacaxi, maçã-verde, couve e pepino), não deixe de provar tudo o que conseguir (incluindo os doces, como o bolo gelado de coco, o crumble de maçã e o denso bolo de brigadeiro). Para o café, só é servido Nespresso (sempre acho uma pena com tantos grãos bons de café brasileiro) e sinto falta da simpatia que era a mesinha com café coado à disposição e de graça. A água sem gás também deveria estar disponível para evitar as garrafinhas de plástico, mas, pelo menos, aqui eles não servem os sucos com canudos.

Outra coisa boa da Padoca do Maní é que pode-se tomar café da manhã o dia todo. O combo Café Padoca, a R$ 47, vem com cesta de pães quentinhos, ovos mexidos com queijo, geleia, manteiga, requeijão, suco de laranja, espresso e salada de frutas com iogurte e granola. E também tem o combo Brunch, um pouco mais substancial, com tostada, saladinha e quiche, e ainda uma versão para os pequenos com pão com requeijão e Nutelle e leite batido com Nescau.

Shoichi Iwashita

Compulsivo por informação, pesquisador contumaz, apaixonado por livros, jornais e revistas, e colecionador de moleskines com anotações de viagens e restaurantes, o resultado que almeja são textos-em-contexto sobre experiências, de forma que o leitor, de posse delas, aproveite só o melhor de cada lugar; em Nova York, Tóquio, Paris ou São Paulo.