Gastronomia

Branco é a cor mais quente

Entenda quais são e de onde vêm as uvas mais especiais e como harmonizar vinhos brancos nas mais diferentes ocasiões

4 Ago 2017 01:57

Por Rodrigo Malizia

Que delicia que é o calor! Época de praia, carnaval, muito sol, refeições ao ar livre e bastante vinho. Pelo menos aqui em casa! No entanto, essa não é uma realidade em todos os lares. Na terra da caipirinha, com altos índices de consumo de cerveja, uma bebida alegre e intensa como o vinho fica praticamente esquecida no verão. Isso é uma pena.

É inegável que, no Brasil, bebe-se mais vinho no inverno. Isso é reflexo da predileção da grande maioria das pessoas pelo tinto. Todos, ou quase todos, associam esse tipo de vinho ao frio, o que acaba sendo um problema pois, em um país quente como o nosso, que o frio mais se esconde do que aparece, a bebida fica sempre em segundo plano. Sendo assim, em que pese existirem diversos tintos deliciosos para serem bebidos no calor, esse será um assunto para um próximo texto. Neste irei a favor da maré e falarei um pouco de algumas opções de brancos, para serem parceiros nessa onda quente que está conosco a todo o momento.

Programas comuns nesta estação do ano, como praia, bares com amigos e refeições mais leves, como restaurante japonês, são ocasiões ideais para os vinhos brancos. Sol e calor não são motivo para ficar apenas na cerveja e na caipirinha. Muito pelo contrário. Começando pela praia, que fica ainda mais linda perto das montanhas e das pedras, a sugestão é um vinho branco com bom frescor e, principalmente, mineralidade. Termo um pouco polêmico nesse mundo, mas que é sentido no olfato em alguns vinhos. O que me remete muito a isso é grafite, giz e pedra de isqueiro, por exemplo. Quando aromas como esses vierem, aí está um vinho mineral. Mas se não acontecer, sem problemas. Não é o mais importante. Curta a praia e o vinho. Está tudo certo.

Nessa época do ano também procuramos fazer refeições mais “refrescantes”. Como mencionado anteriormente, restaurante japonês é excelente para isso. Uma das harmonizações mais incríveis para essa gastronomia são os brancos da uva riesling, muito presente em dois países, Alemanha e França, principalmente na região da Alsácia, que origina vinhos com excelente acidez e muita personalidade. Na próxima ida, tente trocar o saquê por um bom riesling, garanto que a experiência será incrível.

Outra harmonização que se encontra como amor de verão e paixão são vinhos da sauvignon blanc com queijo de cabra. O berço dessa uva é o Vale do Loire, também na França. Alegres, divertidos e refrescantes, uma pedida incrível é um piquenique no parque com algumas baguetes, queijo de cabra e vinhos dessa casta. Nada mais francês, mesmo no calor de 35 graus no Hemisfério Sul! É uma delícia, podem acreditar. Também no Vale do Loire, tem outra uva igualmente deliciosa, a chenin blanc, que é muito floral, aromática e informal. Com acidez não tão pronunciada, pode ser bebida sozinha ou com pratos que levem toques ácidos, como peixes com limão, por exemplo. Indico para os dias ensolarados, com pessoas queridas.

Se a ideia é um jantar especial, em um restaurante legal, a rainha das uvas brancas, a chardonnay, pode te ajudar. O lugar onde ela é mais incrível é a Borgonha, região de vinhos sublimes, tanto os tintos quanto os brancos. Mas outras regiões francesas, como Jura, nos têm entregado vinhos espetaculares dessa variedade. É uma uva com mais corpo, mais untuosa, e que por isso pode acompanhar diferentes tipos de ocasiões e pratos.

Por falar na Borgonha, esta região tão espetacular e generosa nos brinda com uma outra uva branca especial, a aligoté. Pouco conhecida da grande maioria, foi documentada a primeira vez no século 18. Dá origem a vinhos com corpo médio e sem grandes pretensões, excelentes para bate-papo com amigos, acompanhar frutos do mar mais leves ou simplesmente para beber e aliviar o calor! Enfim, como vocês podem notar, existem diferentes tipos de vinhos brancos, para diferentes gostos e ocasiões. O mais importante disso tudo é testar e ver qual deles é o mais indicado e gostoso para o que você está procurando. O vinho é um companheiro para todas as estações, momentos e temperaturas. Cabe a nós saber usufruir o que há de melhor em cada um deles, entender suas alegrias, histórias, variações e prazer que nos dão.

Os Eleitos
Comte Armand Aligoté 2013
(100% Aligoté). Produtor: Domaine Comte Armand
O melhor exemplar desta casta disponível no Brasil atualmente. Uma excelente maneira de começar a entender essa uva branca menos famosa da Borgonha. Importadora: Delacroix
delacroixvinhos.com.br | R$ 185

Domaine Bertagna Vougeot 1er Cru Les Cras 2010
Produtor: Domaine Bertagna
O interessante desse vinho é ser um branco da Côte de Nuits, onde predominantemente se vinifica tintos. Intensidade com muito floral e citricidade nos aromas e com o sabor delicioso, com boa acidez balanceando a opulência. Belíssimo vinho. Importadora: Cellar
cellar-af.com.br | R$ 288

Les Graviers 2014 Tissot
(100% Chardonnay). Produtor: Domaine Tissot
Um Chardonnay do Jura impressionante, capaz de fazer bonito frente a grandíssimos borgonhas. Importadora: Delacroix
delacroixvinhos.com.br | R$ 259

Les Gruchers Domaine Bobinet
(100% Chenin Blanc). Produtor: Domaine Bobinet
Do Vale do Loire, este vinho tem uma característica muito interessante, que é uma acidez pronunciada, em comparação a outros dessa casta. Importadora: Gavinho
gavinho.com.br | Preço sob consulta

Domaine Barmes Clos Sand 2010
(100% Riesling) Produtor: Domaine Barmes
Delicioso riesling, com muita mineralidade, frescor e corpo. Equilíbrio impressionante. Vai muito bem com comida japonesa. Importadora: Casa Flora
casaflora.com.br | R$ 103,40

Saint Bris Vieilles Vignes
Produtor: Clotilde Davenne
O curioso deste vinho é ser um sauvignon blanc da Borgonha, onde predomina a chardonnay. A produção dessa uva por lá é minúscula e esse é um exemplar muito especial. Importadora: Delacroix
delacroixvinhos.com.br | R$ 98