Arte

Carlos Nader ganha individual na Lume

AUTO exibe trabalhos do cineasta paulistano realizados em parceria com seu filho Teo

29 Jan 2018 11:10

Depois de uma década dedicada ao cinema, Carlos Nader retorna a um espaço expositivo, a Galeria Lume, que a partir de 31 de janeiro de 2018 apresenta a exposição AUTO. Nela, o cineasta paulistano de 53 anos que começou sua carreira na videoarte dos anos 80/90 reúne agora um conjunto de seis obras – três delas inéditas, frutos de uma parceria inusitada com seu filho Teo, de 17 anos, que é portador de autismo.

Em cartaz até 17 de março, a exposição também traz uma reflexão sobre o próprio ato de criar uma obra audiovisual, incluindo várias questões já características do trabalho cinematográfico de Nader. O que é filme e que é real? O que o diferencia um filme da chamada vida real? Que estruturas gramaticais tornam um filme autônomo? Que artifícios artísticos o fazem, ele também, real?

Segundo Nader, desde que o autismo de Teo foi diagnosticado há cerca de 15 anos, ele tem sido cobrado a fazer um filme sobre o assunto. Não convencido de que esse seria o formato ideal para tratar da condição de uma pessoa “que não gosta sequer de ser fotografada”, o cineasta preferiu estabelecer uma ponte ainda mais larga com o universo do filho, para trazê-lo a público.

Na prática, o encantamento do garoto pela chuva escorrendo por uma claraboia de vidro e refletindo uma imagem de vídeo serviram, por exemplo, como base da criação da instalação Cachoeira (2017), presente na exposição. A tela translúcida que siderava e protegia Teo das tempestades metamorfoseia-se em um suporte de projeção para vídeo e água.

Já em Espaço Tempo (2017), um vídeo de dois canais mimetiza a forma com que o adolescente assiste diariamente aos mesmos filmes há 15 anos, em diferentes telas, procurando absorvê-los quadro a quadro. Na obra exposta, uma das telas exibe 8 segundos do lançamento de um foguete em loop, enquanto a outra tela é dividida em 240 partes para mostrar cada quadro do vídeo no mesmo espaço e ao mesmo tempo.

A questão da alteridade também é explorada em Cross, vídeo produzido em 2004. O trabalho mostra corpos nus, de diferentes etnias, que se alternam constantemente entre feminino e masculino, passando sem cortes por vários estágios intermediários entre as diferentes raças e gêneros. Em Vento Luz III, o artista renova uma instalação feita para uma exposição do MAM-SP, em 1999, em que o rodopio constante de um bailarino virtual gerava uma ventania real. Na versão atual, o bailarino é substituído por personagens nus e igualmente rodopiantes de Eadweard Muybridge, fotógrafo inglês do século XIX que criou as primeiras imagens cinemáticas da História.

Auto, individual de Carlos Nader
Galeria Lume
Rua Gumercindo Saraiva, 54 – Jardim Europa, São Paulo
Abertura: 31 de janeiro, a partir das 19h
Período expositivo: de 1º de fevereiro a 17 de março
Visitação: de segunda a sexta-feira, das 10h às 19h | sábados, das 11h às 15h
(11) 4883-0351