Arte

Atração Fatal

Maior revelação da literatura policial brasileira, já comparado a Stephen King por Fernanda Torres, o carioca Raphael Montes conta quais são seus 12 livros prediletos

13 Jul 2017 13:47

Por Raphael Montes

Eu tinha 12 anos quando fui presenteado por minha tia-avó Iacy com um exemplar de Um Estudo em Vermelho, do Conan Doyle. Estávamos em uma colônia de férias em Pentagna e chovia lá fora. Eu não gostava de ler, mas, por falta de opção, comecei a folhear o livro. Quando percebi já tinha mergulhado de cabeça naquele universo, investigando crimes com Sherlock Holmes, tenso pelo que viria nas páginas seguintes e ansioso para chegar ao final. Terminei a leitura na mesma madrugada, em êxtase, como só ficamos quando nos deparamos com uma revelação, com um novo mundo de possibilidades.

Antes, meu sonho era ser ator, mágico ou matemático (sim, matemático. Sempre fui apaixonado por enigmas lógicos e jogos de palavras). A partir daquele livro, percebi que todos esses elementos se reuniam nos bons romances policiais. Afinal, escrever um bom mistério tem tudo a ver com atuação (criar personagens, entrar na lógica de cada um na história), tem tudo a ver com mágica (o jogo de mostrar e esconder, de iludir com manobras inesperadas) e tem tudo a ver com matemática (criar um esqueleto inteligente, cujas conexões são escondidas para surpreender o leitor ao final).

Na época, entrei no Orkut, onde um grupo de fãs de Agatha Christie se reunia para escrever fanfics protagonizadas por Hercule Poirot e Miss Marple. Escrevi meus primeiros contos e, logo depois, um romance policial nunca publicado. Então vieram os livros da minha carreira. Nesse tempo, fiz um grande passeio pelo que há de melhor na literatura policial ao redor do mundo, começando pelos clássicos, seguindo pelas tendências do whodunit e do noir, até o romance policial contemporâneo – celebrado em muitos países, mas infelizmente pouco popular nas bandas de cá. Adiante, escolhi 12 livros que representam, a meu ver, os principais “pontos turísticos” da boa literatura policial: é como entrar em um ônibus City Sightseeing para ganhar uma noção do básico. Caso você se interesse por algum ponto turístico específico, basta descer na parada e explorar as vielas recônditas do universo policialesco. Pegue sua lupa e vamos em frente.

BOM DIA, VERÔNICA
Andrea Killmore | Darkside
Romance brasileiro lançado em 2016 por uma autora que trabalhou na polícia e utiliza um pseudônimo para se proteger. Na história, conhecemos Verônica, pessoa comum, cheia de defeitos, secretária de um delegado, que se lança em duas investigações para salvar uma mulher. Violência doméstica, justiça e assassinatos em série são temas que permeiam este thriller de tirar o fôlego.

O SILÊNCIO DA CHUVA
Luiz Alfredo Garcia-Roza | Cia. das Letras
Representando o romance policial brasileiro, eu não poderia escolher outro livro que não este: “O Silêncio da Chuva”: é a primeira aventura do delegado Espinosa, que transita pelo Centro do Rio de Janeiro para solucionar a morte de um executivo. Vale a pena conhecer esta aventura com sabor nacional.

UM ASSASSINO ENTRE NÓS
Ruth Rendell | L&PM Pocket
Na primeira página deste romance a inglesa Ruth Rendell revela as vítimas, o assassino, o método e o motivo do crime. É de se pensar que, a partir daí, perderíamos o interesse no livro, mas acontece justamente o contrário. Um clássico apaixonante que também subverte as regras do gênero.

O TALENTOSO RIPLEY
Patricia Highsmith | Cia. das Letras
Patricia é minha autora favorita de romances policiais. Seus suspenses psicológicos revelam o pior do ser humano e convidam o leitor a entrar na mente de seus personagens tortos. É uma nova configuração do romance policial: aqui, o foco está no criminoso, não na investigação. Ripley é um bom-vivant disposto a tudo para manter sua rotina confortável, até mesmo a matar.

CASEI-ME COM UM MORTO
Cornell Woolrich | Cia. das Letras
Dashiel Hammet e Raymond Chandler são os escritores mais conhecidos do romance noir, caracterizado por femmes fatales, detetives durões e cenas de luta. Mas, na minha opinião, o melhor deles é Cornell Woolrich, responsável por obras como Janela Indiscreta, A Noiva Estava de Preto e Casei-me com um Morto, que indico fortemente.

UM ESTUDO EM VERMELHO
Arthur Conan Doyle | Zahar
Este é o primeiro romance protagonizado por Sherlock Holmes, o detetive mais conhecido do mundo, com seu método lógico-dedutivo. É interessante observar como, neste início, Holmes era diferente da figura que hoje ocupa o imaginário popular e que é representado em tantos filmes e séries.

DUPLA INDENIZAÇÃO
James M. Cain | Editora Brasiliense
James M. Cain é outro dos grandes mestres do noir norte-americano. Na trama, um corretor de seguros e a esposa de um cliente armam um plano diabólico para ganharem a indenização do seguro em dobro. A história foi adaptada para o cinema por Billy Wilder, em sua estreia em Hollywood.

CONTOS DE IMAGINAÇÃO E MISTÉRIO
Edgar Allan Poe | Tordesilhas
Com os contos Os Crimes da Rua Morgue, O Mistério de Marie Roget e A Carta Roubada, protagonizados por Auguste Dupin, Poe fixou as bases arquitetônicas do gênero: o crime, a investigação e o criminoso. Foi assim que a literatura policial nasceu.

O HOMEM DOS CÍRCULOS AZUIS
Fred Vargas | Cia. das Letras
Um dos livros mais honestos e, por isso mesmo, um dos mais cruéis que já li. Cristóvão Tezza narra as agruras, descobertas e medos de um pai (inspirado em fatos de sua vida) tentando amar um filho com síndrome de Down.

E NÃO SOBROU NENHUM
Agatha Christie | Globo Livros
Agatha Christie é considerada a rainha do crime e escreveu dezenas de livros que consagram o whodunit (quem matou?). Neste romance, ela quebra uma das regras basilares do romance policial e fisga o leitor logo nas primeiras páginas. Além deste, Os Crimes ABC, Morte no Nilo, Assassinato no Expresso do Oriente, O Assassinato de Roger Ackroyd e A Casa Torta são seus melhores livros.

ILHA DO MEDO
Dennis Lehane | Cia. das Letras
O romance policial norte-americano continua mais forte do que nunca. Atualmente, Dennis Lehane é o melhor autor deste gênero, criador de uma série de livros com os detetives Patrick Kenzie e Angela Gennaro. Ilha do Medo é uma de suas obras avulsas e apresenta a história de um xerife que investiga a fuga de uma paciente em um hospital psiquiátrico. Muito tenso e surpreendente!

OS HOMENS QUE NÃO AMAVAM AS MULHERES
Stieg Larsson | Cia. das Letras
Stieg Larsson escreveu o que há de melhor no romance policial sueco. Sua triologia Millenium é, sem dúvida, a obra mais consistente dos últimos 50 anos neste gênero. No primeiro volume acompanhamos um jornalista e uma hacker infiltrados em uma tradicional família para desvendar um crime do passado. Um whodunit moderno.

  • Tito Prates

    Adorei!!!

  • Acho que a sinopse de ‘O homem dos círculos azuis’, de Fred Vargas, não trata do mesmo livro, pois o texto está complementado como menção ao livro ‘O filho eterno’, de Cristóvão Tezza.

  • Cris Siqueira

    Maravilha, Raphael!